Cartão Rosa - Edição 664

O sargento do nosso Corpo de Bombeiros de Santa Catarina Jeferson dos Santos, o popular Fefê, realizando um bom trabalho social junto à comunidade da Ponte do Imaruim 

 

 

Como vitrine
Em minha carreira como árbitro, já vi jogadores limitados tecnicamente que mostravam um futebol competitivo com a camisa alvinegra. Hoje em dia, o que se vê são jogadores impostos por empresários que utilizam o Figueirense como vitrine. Alguns aparecem por aqui jogando um futebol admissível, mas com o tempo vão perdendo o ritmo. Se Rogério Micale ficar para próxima temporada, precisa acordar pra isso. Precisa entender o tamanho do clube.


Comédia sul-americana
O Grêmio comprou uma briga com a Conmebol e deu no que deu. O que se viu em Luque, na sede da Conmebol, no Paraguai, foi a armação de um circo para a entidade dizer aquilo que todos já sabiam: Boca e River irão disputar o título da Libertadores 2018. Esta comédia sul-americana só serviu para demonstrar que a Conmebol não é uma entidade séria e que não gosta, nenhum pouquinho, do nosso futebol. Lá como cá, é tudo farinha do mesmo saco. Esta armação servirá para que no futuro, outros técnicos tenham o mesmo comportamento de Marcelo Gallardo.


Homem severo
Brilhante por conduzir a Operação Lava Jato com os rigores da lei e ser severo com muita gente poderosa, o Juiz Sergio Moro foi chamada pelo presidente eleito Jair Bolsonaro para ser o futuro ministro da Justiça. A indicação de Moro para esta importante pasta tem agradado a uns e desagradado a muitos, principalmente os “tubarões” que o veem como um homem severo na aplicação das leis. Sergio Moro, como ministro da Justiça, poderá ser sério candidato presidenciável para 2022.


Temporada de especulações
Fim de ano chegando e o torcedor já sabe que está aberta a temporada de especulações. Isso é tão certo como o peru no Natal e o show de Roberto Carlos no fim do ano. Será a temporada para saber quem sai, quem chega e que jogador o torcedor gostaria de ver em seu clube. Daqui em diante, o que não vai faltar são nomes lançados por comentaristas, “entendidos” e palpiteiros. Com os cofres achacados e tentando amenizar a crise financeira, tanto Avaí quanto Figueirense pensam em bons nomes e fazem as contas para saberem o quanto podem gastar.


Esperança e percalço
A rodada da última terça-feira poderia ser decisiva para o desfecho desta Segundona Brasileira, que anda desprestigiada pelo estúpido calendário a que nossos clubes são submetidos pela CBF e outros interessados. O Fortaleza poderia ter conquistado o título diante do CSA, em casa, mas não o fez. Virá a Florianópolis com vontade e ambição desta conquista. Assim, mais uma vez, o Avaí vai lutar pelos três pontos para se manter no G-4. Caberá aos comandados de Geninho não deixarem o time de Rogério Ceni sair daqui fazendo a festa.


Meta na base
O empate entre Figueirense e Guarani diante de pouco mais de 1,3 mil torcedores que resolveram ir ao Scarpelli serviu para a confirmação matemática do clube na Série B e a a nova filosofia de Micale, de utilizar jogadores da base que estarão nos planos do treinador para 2019. Até então, o time pouco utilizou os jogadores que subiram para o profissional. A nova meta de promoção da base para os profissionais já está dando resultado. O bom goleiro Vitor Caetano é um desses nomes.


Pensamento do Bambi
A única certeza que eu tenho neste final de ano é o show do Roberto Carlos. 

 

Drops da arquibancada
Para a próxima temporada, o Figueirense deverá contratar entre quatro e cinco jogadores em nível de titularidade, aproveitando poucos deste elenco e compondo o grupo usando a base.
O pênalti inexistente que deu a vitória ao Inter contra o Atlético/PR mostrou que Odair, treinador colorado, é da safra de treinadores que adoram levar vantagem.
O Avaí vem fazendo uma boa campanha nesta Série B. É forte candidato a uma das vagas no G-4. O problema é que tem os jogos mais complicados pela frente entre os times que brigam pelo acesso.
Infelizmente, as péssimas arbitragens deste Brasileirão estão sendo um dos pontos negativos desta competição e cada dirigente ou treinador só berra quando se sente prejudicado. Ainda teremos muitas discussões até o fim deste certame.
O Criciúma que se cuide para não ser rebaixado para a Série C. A derrota para o Londrina já acendeu o sinal de alerta. Da mesma maneira, a Chapecoense que já não é mais aquela velha Chape. 


CARTÃO ROSA para todo o bom time do Palmeiras, que a cada rodada dá um passo decisivo rumo à conquista do título brasileiro desta temporada. O bom time de Felipão, depois da desclassificação na Libertadores, está jogando sério, jogando bem e é merecedor deste Brasileirão.

CARTÃO VERMELHO para este velho problema que persiste, há tempos, em nossos malcuidados balneários. A frequência cada vez maior de cachorros acompanhados de seus donos ou abandonados nas areias de nossas praias coloca em perigo o cidadão, que poderá pegar uma contaminação pelas fezes deixadas nas areias e até sofrer ataques destes animais. 

 

Para a alegria da família e amigos, quem andou aniversariando nesta quarta-feira (7) foi o senhor Eugênio Francisco Vieira, da Ponte do Imaruim. A coluna deseja muita saúde



Publicado em 08/11/2018 - por Margarida Clésio Moreira dos Santos

btn_google.png btn_twitter.png btn_facebook.png








Autor deste artigo


Mais vistos

Publicidade

  • d83a8831fba6952d386c6501dc64c0ab.jpg