3e1661f837ddbbe2cfeee8ea72ad9b2c.JPG Multicampeão de Bicicross ministra palestra para 270 crianças e adolescentes do Madri

f53109fdbce259b39801fb7647a3629b.jpg Equipe BMX Palhoça conquista 13 medalhas no Catarinense de Bicicross


As ideias dos futuros candidatos a presidência

DCE da Unisul reuniu representantes dos presidenciáveis em um debate na Pedra Branca

41b16fc79648325a4968f0d08d50b95b.jpg Foto: LUCIANO SMANIOTO

Com as eleições de 2018 se aproximando, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Unisul promoveu um debate, na última sexta-feira (22), no campus da Pedra Branca, entre representantes políticos de pré-candidatos à presidência da República. Oito das 21 pré-candidaturas enviaram representantes ao debate. Eles discutiram temas como saúde, educação, segurança pública e economia.

A proposta, de acordo com Victor Della Giustina Gaspodini, presidente do DCE Grande Florianópolis, é trazer para a universidade um espaço para discussão e considerar a representatividade estudantil ao longo da história política do Brasil. “Organizamos o debate na Unisul e convidamos todas as 21 pré-candidaturas à presidência porque vemos a necessidade dessas ocasiões e sentimos falta disso na nossa universidade. A política deve ser uma ferramenta para melhorar a vida das pessoas e não pode ser criminalizada”, comenta o estudante. “No momento de descrença generalizada da população com a política, momentos de discussão são ainda mais necessários. O debate político não pode sair jamais da universidade, até porque, olhando para a história, vemos que em todas as grandes conquistas do povo brasileiro os estudantes estavam lá, além disso, as coisas chegaram como estão justamente pela falta de envolvimento das pessoas com o espaço público de poder. Se houvesse mais envolvimento dos cidadãos com a política, os espaços de poder não seriam ocupados por quem não representa. Por todas essas questões, o DCE gestão Renovação entende que eventos como o debate do dia 22 são fundamentais e devem ser frequentes na universidade”, reflete.

O professor Alexandre Botelho, do curso de Direito, foi o mediador do debate. Botelho apresentou os oito representantes de presidenciáveis presentes: o vereador Afrânio Boppré (da pré-candidatura de Guilherme Boulos, do PSOL), o pré-candidato ao governo do estado Rogério Portanova (da pré-candidatura de Marina Silva, do Rede), o professor Lucas Ferreira (da pré-candidatura de Ciro Gomes, do PDT), a pré-candidata ao governo do estado Ingrid Assis (da pré-candidatura de Vera Lúcia, do PSTU), o pré-candidato a deputado estadual José Braz de Oliveira (da pré-candidatura de Álvaro Dias, do Podemos), a pré-candidata a deputada federal Elenira Villela (da pré-candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, do PT), a pré-candidata a deputada estadual Fátima Capela (da pré-candidatura de Manuela D’Ávila, do PCdoB), o presidente estadual do Partido Novo, Eduardo Ribeiro, representando a pré-candidatura de João Dionisio Amoêdo. O professor informou que todas as 21 pré-candidaturas foram convidadas a compor a mesa de debate; alguns partidos justificaram a ausência, por impossibilidade de agenda, e outros nem se manifestaram.

O debate foi organizado em cinco blocos. No primeiro bloco, cada representante teve até três minutos para apresentar o plano de governo do pré-candidato. Depois, iniciaram as rodadas de perguntas e respostas. No segundo bloco, os participantes foram sorteados para responder sobre temas específicos (também sorteados), como educação, saúde, economia, segurança pública, direitos humanos, corrupção, previdência social e reforma política. O terceiro teve perguntas entre si, com temas livres; no quarto bloco, foi aberto espaço para perguntas do público; e a quinta etapa foi destinada às considerações finais.

Essa forma de organização, construída pelo DCE juntamente com o professor Alexandre Botelho, possibilitou o aprofundamento do debate, fazendo com que os debatedores não se limitassem à superficialidade e discutissem entre si. Houve momentos calorosos e de provocação, mas em nenhum momento algum participante faltou ao respeito: apesar de quentes, as discussões se bastaram aos assuntos em pauta, sem ofensas pessoais, conforme os preceitos democráticos. “Ficamos muito felizes em realizar esse momento de discussão e acreditamos que tenha sido um sucesso, porque quem assistiu saiu com a sensação de ter conhecido mais das propostas e planos de governo das pré-candidaturas que disputarão o pleito de 2018. Quem não pôde estar presente poderá assistir ao debate na íntegra na página do DCE no Facebook”, diz Victor. “Esperamos continuar trazendo discussões democráticas para a Unisul para combater a criminalização da política e principalmente manter as demandas estudantis dentro dos planos para o país”, reforça o estudante.

 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • d83a8831fba6952d386c6501dc64c0ab.jpg

Destaques

  • Nenhuma matéria relacionada.