Moradores de rua: municípios fazem diagnóstico

Encontro reuniu representantes de municípios da Grande Florianópolis e a secretária de Estado da Assistência Social, Maria Elisa de Caro

75f3ca5b4424de6d00bcb5b597c0bb55.jpeg Foto: DIVULGAÇÃO

O crescimento do número de pessoas que vivem em situação de rua, de onde eles chegam, qual a faixa etária e os motivos que os levam a viver pelas calçadas, debaixo de viadutos, pontes e prédios públicos pautou uma reunião convocada pela secretária de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Maria Elisa De Caro, em Florianópolis.

O objetivo é aproximar o grupo que lida diretamente com este público e juntos buscarem o planejamento de políticas públicas que modifiquem este cenário na região da Grande Florianópolis, para na sequência executar as ações em todos os municípios catarinenses. Participam do grupo representantes de Florianópolis, São José, Biguaçú e Palhoça.

A missão do estado nesta gestão, conforme a secretária é mostrar quais os dados que existem sobre o assunto, efetivamente. “Queremos identificar as pessoas, saber quantos vivem em situação de rua. Só levantando estes dados, cruzando os dados é que teremos condições de saber o que temos. Desta forma, podemos tomar decisões claras, efetivas e principalmente, definir o que planejar, que seja factível, que seja executável”, afirmou Maria Elisa.

Os dados existentes até o momento são colhidos nos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) e Centros de Referência Especializados em Assistência Social (Creas) dos municípios, no Cadastro Único e no programa Bolsa Família. Estes dados, ainda em fase de elaboração, servirão para planejamento de projetos e ações que serão colocados em um banco de dados integrado. “Além das informações que temos, precisamos das que todos os presentes aqui também possuem. Desta forma vamos trabalhar sintonizados e encontrar a solução para alguns problemas que enfrentamos. Só com estes números conseguiremos traçar as políticas públicas”, pontuou a Secretária.

O encontro teve a participação do prefeito de Florianópolis Gean Loureiro, da prefeita de São José Adeliana Dal Pont e de profissionais de assistência social das vizinhas Palhoça e Biguaçu, que representaram seus prefeitos. Participaram ainda o promotor Daniel Paladino, do Ministério Público de Santa Catarina (MP/SC); representantes da Polícia Militar, da Polícia Civil, da Guarda Municipal, da Arquidiocese, do Conseg de Florianópolis e da Delegacia de Pessoas Desaparecidas.

 

Imigrantes

Outro assunto levantado pela secretária Maria Elisa foi referente à política do imigrante de Santa Catarina, que passará por mudanças. O foco, segundo ela, é ampliar o atendimento aos que chegam ao estado, por meio dos municípios, dentro dos serviços disponibilizados nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) e Centros de Referência Especializado em Assistência Social (Creas).  

A cidade de Florianópolis tem atualmente o Centro de Referência de Atendimento ao Imigrante (Crai) de Santa Catarina, mas o programa será encerrado em setembro. “Nas outras cidades, são os serviços de Cras e Creas que abrem as portas aos imigrantes e refugiados que estão chegando por lá. São nestes serviços que eles recebem as primeiras orientações, atendimento psicológico e tudo mais”, explica a secretária.

Maria Elisa afirma que o suporte oferecido pela SST será ampliado nos equipamentos e os servidores passarão por uma capacitação, que vai reciclar o conhecimento de todos os profissionais, para que saibam qual a melhor forma de acolher estas pessoas no momento em que mais precisam.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • Banner-310x260.gif