Projeto de PH em exposição em Brasília

Sesc e Sesi de SC integram a mostra "Pelo Futuro do Trabalho", no Salão Negro do Congresso Nacional

d6ed15c4d101f643874b3c3a1a5e58b0.jpg Foto: JOSÉ PAULO LACERDA/DIVULGAÇÃO

Seis projetos desenvolvidos pelo Sesi e pelo Senai de Santa Catarina integram a mostra “Pelo Futuro do Trabalho”, que a Confederação Nacional da Indústria (CNI) promove em Brasília até o dia 12 de abril. O objetivo é apresentar projetos realizados por estudantes e pesquisadores de 92 centros tecnológicos como parte da proposta das instituições de inserir o Brasil na Indústria 4.0. A exposição, que tem entrada gratuita, ocorre no Salão Negro do Congresso Nacional. 

Entre os trabalhos expostos, está o sistema inteligente de monitoramento de barragens, desenvolvido pelo Instituto Senai de Inovação em Sistemas Embarcados, em parceria com a empresa Dona Francisca Energética. O equipamento automatiza o gerenciamento da operação e manutenção de barragens, o que torna o processo mais confiável, facilitando a tomada de decisões. 

Outro projeto é o Guidoo, plataforma digital que acompanha hábitos alimentares e atividade física para promover a saúde e o bem-estar dos usuários. Entre suas funcionalidades, estão sessões de coaching de forma virtual, assim como grupos de desafios com metas de alimentação e exercícios. O produto foi desenvolvido pelo Centro de Inovação Sesi em Tecnologias para a Saúde, que realiza pesquisas e oferece consultorias ao segmento, responsável por cerca de 10,5% do Produto Interno do Bruto (PIB). 

A Plataforma Tecnológica para Promoção de Ambiente de Trabalho e Comportamentos Seguros na Indústria da Construção Civil faz monitoramento de risco e gestão de informações de SST, além de auxiliar no planejamento, cumprimento e registro das ações de Segurança e Saúde no Trabalho em canteiros de obra. As informações de Segurança do Trabalho da empresa e de seus trabalhadores são armazenadas no sistema, que se encarrega de realizar a gestão e emitir alertas sempre que ações de correção e aprimoramento são necessários. A plataforma pode ser utilizada por empresas de pequeno, médio e grande portes. 

O projeto do nanossatélite, primeiro satélite da indústria nacional, está sendo desenvolvido pelo Senai/SC, em parceria com a empresa Visiona. O satélite terá dimensões de 10cmx20cmx30cm e dará uma volta ao redor da Terra a cada hora e meia, numa órbita de 600 quilômetros (pouco mais do que a distância em linha reta entre os extremos Leste e Oeste de Santa Catarina). A tecnologia permite o avanço no mapeamento e monitoramento de áreas de produção agrícola e pecuária, além de áreas de conservação e ecossistemas ambientais.

Criações de alunos do Senai de Brusque que participaram do Prêmio Brasil Sul Moda Inclusiva também estão expostas no Salão Negro. O trabalho da estudante Eliana Baron, premiado no evento, buscou solucionar problemas para deficientes visuais, como a identificação da cor da roupa a ser usada pelo cego. Por meio de um aplicativo, que faz a leitura do QR Code aplicado na etiqueta da roupa, é possível saber informações como cor, tecido e tamanho da peça.

Um desses projetos é de Palhoça. Por conta de um aluno cego, o professor do Senai de Palhoça Teófilo Manoel da Silva Júnior adaptou uma série de ferramentas utilizadas no laboratório de manutenção automotiva.

Clique aqui e acesse o vídeo e conheça a história deste projeto.
 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • Banner-310x260.gif