Uma viagem em busca do autodescobrimento

Engenheiro Bruno Sousa percorre 7.200 quilômetros pelas estradas da América do Sul a bordo de uma Scooter

210d832adfa173c3d4dde39e753f1681.jpeg Foto: ARQUIVO PESSOAL

O engenheiro civil Bruno Sousa Silveira, de 31 anos, morador do São Sebastião, cultiva uma paixão por motocicletas desde criança. Nas imagens mais antigas que a memória alcança, lá está a companheira de duas rodas. Aos 15 anos, comprou a primeira moto. As lembranças da infância e a trajetória de vida alimentaram um sonho: fazer uma viagem em duas rodas; uma viagem longa e solitária. O sonho se realizou em uma epopeia de 12 dias, percorrendo 7,2 mil quilômetros pelas estradas da América do Sul. Mas para desfrutar as delícias dos famosos vinhedos argentinos e apreciar de perto a magnitude do Aconcágua, Bruno precisou enfrentar os próprios medos e se redescobrir. Essa redescoberta existencial foi conquistada em uma aventura definida por ele como "um misto de paixões e desafios".

A trip começou às 5h do dia 19 de junho - 45 minutos antes do relógio despertar. A ansiedade afastou o sono, e era difícil não ficar ansioso. Estava partindo para um "ritual de passagem". Entre 2014 e 2018, o engenheiro civil mergulhou em um intenso turbilhão de emoções. Passou por uma crise de estresse, que desencadeou até uma síndrome do pânico violenta. Recuperado, definiu a viagem como um divisor de águas, um momento de catarse, de reencontro pessoal. "Vai ser o meu momento, preciso me reconectar", projetou, na época.

Aí, faltava escolher o meio de transporte e o destino. O primeiro quesito foi fácil de resolver. "Lá em casa, a gente sempre foi louco por tudo o que tinha roda e combustível, mas a moto sempre chamou mais a atenção", relembra. O destino também era bem óbvio: como nos últimos dois anos adquiriu o hábito de beber vinho, decidiu conhecer a capital do vinho feito com a uva Malbec, a região de Mendoza, na Argentina.

Bruno já tinha uma Scooter Honda SH 300, e ainda estava decidindo que moto compraria para fazer a viagem. Um amigo sugeriu que fosse de Scooter. A princípio, achou "maluquice" aquela sugestão, mas a ideia "ativou o maluco" que há dentro de qualquer aventureiro. E foi de Scooter que ele partiu rumo a Uruguaiana (RS), a primeira parada da viagem. E antes mesmo de completar esse primeiro trecho, veio o primeiro susto: fechado por uma caminhonete, caiu, a 120km/h, nos arredores de São Gabriel (RS). Mesmo usando todo o equipamento de proteção possível, machucou a perna e o pé, e a batida no chão o deixou momentaneamente sem ar.

Como estavam no campo, a ambulância demoraria a chegar. Então, quando passou o susto, decidiu seguir viagem até Uruguaiana, cidade às portas do rio Uruguai e que faz fronteira com Passo de los Libres, na Argentina. Dormiu lá, cumprindo o primeiro dia com 16 horas na estrada e 1.053 quilômetros percorridos. Nem foi ao médico: comprou remédios para aliviar as dores e seguiu viagem. Ou melhor, tentou seguir: na aduana, não aceitaram o documento de identificação, porque tinha mais de 10 anos desde a última emissão. Se ficasse em Uruguaiana, perderia muito tempo até conseguir uma carteira de identidade nova; a solução seria voltar a Porto Alegre (RS), onde a emissão de documento seria mais rápida, mas isso implicaria em um acréscimo de 600 quilômetros de deslocamento na viagem já suficientemente turbulenta. A caminho da capital gaúcha, fez os questionamentos habituais no diálogo silencioso entre a emoção e a razão: até que ponto vale a pena? Até que ponto é orgulho, teimosia? Até que ponto estava correndo risco? Foram 50 quilômetros de autorreflexão, e ao som de Zeca Baleiro, veio o veredito: resolveu seguir viagem, acelerando menos e contemplando mais. Aí, relaxou, tirou toda a tensão da viagem dos ombros e passou o resto da trip contemplando as nuances da inesquecível paisagem dos pampas; degustando a energia dos vinhedos de Mendoza; absorvendo cada nuance da visão paradisíaca do Aconcágua e da Cordilheira dos Andes (onde enfrentou uma nevasca fortíssima). Voltou ao Brasil depois de percorrer cidades no Uruguai (como Ponta del Este, Montevidéu e Colônia do Sacramento) e na Argentina (como Buenos Aires, Rio Rufino, Mendoza, Córdoba e Santa Fé), com uma única exclamação na bagagem: "Inexplicável"!

 

 



Galeria de fotos: 20 fotos
Créditos: ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL ARQUIVO PESSOAL
Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • Banner-310x260.gif