f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Falando Sério - Edição 651

O tempo passa

O tempo passa, e junto com ele, nós também passamos. Ontem, tínhamos 10 anos; hoje, estamos nos aproximando dos 100. Então, começamos a fazer um retrospecto sobre infância, adolescência, mocidade, adulto, solteiro, casado e tudo mais que modificou nossa existência. 

Estou escrevendo sobre o presente e o passado porque, mexendo em meus velhos arquivos de gratas recordações, encontrei fotos de muitas vidas, algumas que já partiram e tantas outras que permanecem participando do nosso bate-papo diário. 

São tantas as fotos dos vários esportes que eu participava que até me emocionei em rever colegas do ginásio, em Florianópolis, quando eu jogava voleibol, basquete e futebol de salão, representando o Instituto Estadual de Educação, no período em que era diretora e professora a grande mestra Antonieta de Barros. 

Encontrei, também, várias fotos de quando eu comecei a jogar no primeiro time do Guarani, aos 15 anos de idade, com os melhores jogadores da época, de Florianópolis e Palhoça. O Gangão era o goleiro; Lelo, Cidinho Zacchi, Edson, Muri, Neri, Brito, Betinho, Dunha, Amorim e tantos outros que alegravam os torcedores, que eram muitos, no campo do seu Juliano. 

Fico feliz, mesmo, quando vejo a foto da escolinha de futebol que mantive por quase 50 anos, procurando ensinar à garotada, dos 10 anos aos 17, a jogar futebol e a se comportar socialmente, além de impedi-los de se entregarem ao uso das drogas. Fico feliz quando os encontro, depois de muitos anos, alguns já são avós, e nos abraçamos com alegria. Tudo era mantido com dinheiro meu, sem jamais receber ajuda de qualquer político.

Quando eu jogava no Campeonato Catarinense pelo Bocaiúva, até a água mineral nós pagávamos do nosso bolso. Fazíamos esporte por amor à camisa; hoje, no futebol profissional e amador, quase todos os jogadores são pagos, e os diretores também.

O futebol profissional é escandaloso, com o pagamento absurdo dos salários e passes dos jogadores. Os clubes ganham milhões com a compra e venda de jogadores. O povo, levado pela paixão clubista, briga, morre e mata defendendo jogadores que ganham fortunas e sequer se preocupam com torcedores.

Se os administradores políticos, em geral, tivessem interesse em ter um país sério, mais rico, com um povo honrado e trabalhador, com uma juventude longe das drogas, com ideais de ética, com moral e civismo, tratariam melhor a educação, pois é nas escolas que se adquire o ABC da competência, para se administrar as cidades e construir uma sociedade voltada para a moral e o entendimento entre seus cidadãos.

As eleições se aproximam, vamos saber escolher os melhores candidatos de ficha limpa e expulsar os ladrões da vida pública.



Publicado em 09/08/2018 - por Juarez Nahas

btn_google.png btn_twitter.png btn_facebook.png








Autor deste artigo


Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg