Creche no Bela Vista passa por dificuldades

Dívidas herdadas de gestões passadas podem inviabilizar a manutenção dos serviços

2b1d24ca2d9a8ffe363a93b5c93fc161.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

Pais de alunos atendidos pela creche do Centro Comunitário Bela Vista se reuniram com a direção na última quarta-feira (29) para tratar de um assunto indigesto: a possibilidade de fechar as portas em julho. O vereador Luciano Pereira (PSB), presente na reunião, vai solicitar uma audiência com o prefeito Camilo Martins (PSD) para tratar do assunto.

A creche atende, hoje, aproximadamente 190 crianças, e está passando por dificuldades financeiras. “A situação financeira da creche está quebrada, devido às gestões anteriores”, informa a atual direção do Centro Comunitário, que precisa conviver com dívidas trabalhistas, salários atrasados e pagamento de encargos. Para manter o centro de educação infantil em atividade, foi feito um acordo para o pagamento de dívidas trabalhistas: mensalmente, são desembolsados R$ 5 mil para serem divididos pelas antigas funcionárias. Outros R$ 2 mil mensais são destinados a encargos da Receita Federal. Há também uma dívida com despesas de água que chega a R$ 25 mil, deixada por gestões passadas. “Não conseguimos quitar nem fazer acordo, pois o acordo fica muito alto”, lamenta a direção. O vereador Luciano Pereira vai propor ao prefeito Camilo Martins que esta dívida com a Samae seja anistiada.

O Centro Comunitário também tem despesas com gás, bombona de água, internet, telefone, contabilidade, advogado, que são pagos com recursos próprios, ou seja, com a ajuda dos pais e da comunidade. Outra fonte de receita são os bingos e as rifas, mas a creche não consegue mais sobreviver com esses recursos. “Não temos muita ajuda dos pais, temos uma despesa fixa mensal de 10 mil reais e conseguimos de doação 2 mil. Eles pararam de nos ajudar, pois alegam ser de responsabilidade da Prefeitura, e não é. Já estivemos com o prefeito, e ele não pode fazer nada, pois somos somente conveniados”, observa a direção.

O convênio funciona basicamente assim: o Executivo “compra” as vagas, pagando R$ 250 por criança para as vagas serem exclusivamente da Prefeitura. Também é repassada a alimentação. No total, a receita repassada pelo poder público chega a R$ 40 mil, que não é suficiente nem para pagar a folha dos 26 funcionários do CEI, que soma R$ 42 mil (R$ 32 mil de salários mais R$ 10 mil de encargos, como FGTS e INSS). “Estamos de mãos atadas, pois não podemos obrigar os pais a colaborarem com nada e a Prefeitura também não se responsabiliza, mas a única saída para nós é a ajuda dos pais”, pondera a direção.

O problema é convencer os pais a contribuir. Somente 63 famílias compareceram à reunião. “Infelizmente, alguns pais acham que não precisam ajudar com contribuição e ano que vem corre o risco de 190 crianças ficarem sem creche”, diz uma mãe de aluno. “A união faz a força e todos os pais têm que se unir para que nossos filhos continuem na creche”, acrescenta.

Enquanto isso, o vereador Luciano Pereira vai convocar seus colegas de Legislativo para tentar, junto à Prefeitura, aumentar os valores dos repasses, não só para a creche do Bela Vista, mas também para outros centros comunitários conveniados que passam por problemas semelhantes no município - e não são poucos. “Estamos só esperando o prefeito voltar de férias para agendar uma reunião”, diz Luciano.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • Banner-310x260.gif