709613614bcb2725cdaa5ef145969577.jpeg Palhoça participará da 36ª Feira Catarinense de Matemática

f90f3a05155a04f34e156874fdef6efe.jpeg Governador sanciona lei que cria nova Polícia Penal e o Estatuto que a rege

c2abafaee81eeb2b9636708c0e29f559.jpeg Brasil Atacadista de Palhoça comemora Halloween na pista de patinação

113e618973b8ebd17fca0d7d47a14e83.jpeg Pescadores de Palhoça terão ajuda para fazer recadastramento nacional

290414776c163caecd307988082d2124.jpeg Começa a pré-produção de “Ferrolho”, filme ambientado na Pinheira

7af56a643841db6a9098b402f3cb2d62.jpeg Irmão falecido há 18 anos assina letra de "Dilema", música de Guilherme Stingler

fd67d75723bfe78bda89f51eaf466587.jpeg Judoca se prepara para representar Palhoça nos Jogos Escolares Brasileiros

52b0d7288e387bb75af6dcd071294308.jpeg Atletas de Palhoça ganham medalhas na Copa Desterro de Jiu-jitsu Profissional

4591eb7458e13b72850d0266561322bb.jpeg Jovens atletas representam Palhoça em competições estaduais

b1389c69ecc88f51f017f24a6510b6da.jpeg Judoca criado dentro do programa Palhoça Esportiva é campeão estudantil

678354f0c4a3c4a0a66e5acc0f97f463.PNG PBec Brasil vence primeira partida oficial como clube profissional


Atividades religiosas presenciais seguem suspensas

Na noite de quinta (26), Carlos Moisés reiterou a necessidade de evitar aglomeração; instituições religiosas apoiam decisão e buscam alternativas online

51459a5bc9d38d371ab24dc3103b82e0.jpeg Foto: REPRODUÇÃO

Mesmo com a inclusão, divulgada nesta quinta-feira (26), de atividades religiosas no grupo dos serviços essenciais no Brasil - aqueles com permissão para funcionar durante a quarentena de isolamento contra o coronavírus (Covid-19) -, a ordem do estado de Santa Catarina continua sendo de evitar aglomerações. Ainda nesta quinta, ao apresentar um plano estratégico para retomada das atividades econômicas no estado, o governador Carlos Moisés reiterou que reuniões presenciais de caráter religioso seguem suspensas em âmbito estadual. Em Palhoça, líderes apoiam a decisão e adaptam suas celebrações aos moldes virtuais.

A resposta da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) à alteração do decreto federal foi rápida. Em nota, o presidente da instituição, que congrega os bispos da Igreja Católica no país, reforçou o apelo para que as pessoas não saiam de casa, e lembrou dos alertas feitos pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em relação ao crescimento acelerado da pandemia. Em Palhoça, as portas das igrejas católicas seguem fechadas, em cumprimento à orientação hierárquica da igreja e às indicações do governo estadual. As missas continuarão sendo realizadas de forma privada, e transmitidas pelas redes sociais durante o período de quarentena.

Apesar da inclusão das atividades religiosas na lista de serviços essenciais, a partir do Decreto Federal 10.292/2020, a Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) em Palhoça também segue as recomendações do estado. Na comunidade do Centro, cultos e medidas de assistência a membros e pessoas da cidade estão acontecendo por meio de plataformas digitais. “Em casos específicos, que necessitam da presença física dos pastores e pastora, são tomados todos os cuidados recomendados pelas autoridades da saúde e da Organização Mundial da Saúde”, afirma o pastor Wilhelm Sell.

Em meio aos casos crescentes da Covid-19 em Santa Catarina, o pastor ressalta a importância da igreja de cuidar do bem-estar da sociedade. “Somos críticos às igrejas que, visando arrecadações financeiras, abrirão suas portas para cultos públicos presenciais, possibilitando a disseminação do vírus e, assim, promovendo o sacrifício da vida de pessoas. O discurso piedoso que chama irresponsavelmente as pessoas a se aglutinarem é um atentado contra o próprio Deus”, afirma. Sell ressalta a recomendação de ficar em casa e cuidar das pessoas mais vulneráveis à doença. 

Com atividades presenciais impedidas, a aposta da Assembleia de Deus também são os cultos com transmissão online, através do Facebook e do canal da igreja no YouTube. O pastor Marcelo Bedinot afirma que manter as reuniões, mesmo que de forma remota, ajuda a transmitir, aos fiéis, palavras de conforto no momento de crise. No momento, as congregações estão abertas, nos dias e horários de cultos, apenas para aconselhamento pastoral e orações. 

A comunidade vai ao encontro às diretrizes da Convenção das Igrejas Evangélicas Assembléia de Deus de Santa Catarina e Sudoeste do Paraná (Ciadescp), que tem aconselhado as igrejas a manter as portas fechadas, pelo menos durante a quarentena proposta pelo governador Carlos Moisés. “No momento em que forem abertos comércio e restaurantes, vamos ver como ficarão as igrejas, pois temos recebido muita gente, até de maioria não evangélica, pedindo orações e aconselhamento”, conta o presidente da convenção, pastor Nilton dos Santos. Em coletiva realizada no fim da tarde desta quinta-feira (26), o governador do estado apresentou um plano estratégico, que prevê a retomada de serviços não essenciais na próxima quarta (1), mediante restrições de funcionamento. Shoppings, academias e restaurantes estão inclusos. 

O presidente da Ciadescp prevê que, assim que os serviços retomarem ao nível de “quase normalidade”, as igrejas voltem a abrir para um público de até 30% de sua capacidade. Santos ressalta, porém, que as próximas medidas anunciadas pelo governador serão essenciais para as definições.

 

Adaptação e oportunidade em meio à crise

Líderes da igreja evangélica Palavra Viva, localizada no Aririú, apoiam a posição do governo de Santa Catarina e apostam na criatividade para manter a conexão com os fiéis em tempos de quarentena. A partir de transmissões ao vivo, com uma boa estrutura de captação de áudio e vídeo, membros afirmam que as celebrações online têm alcançado um número significativo de pessoas. “É mais uma ferramenta a ser estudada”, afirma Karine Andrade, membro da igreja há pelo menos cinco anos.

O pastor da unidade, João Antunes, conta que apenas duas ou três pessoas se reúnem para realizar as gravações, o suficiente para garantir, simultaneamente, mão de obra para o funcionamento das transmissões e o bem-estar dos colaboradores. Já nas redes sociais,  os líderes têm feito campanhas para alcançar a comunidade através de suas necessidades reais. “Lançamos um trabalho de voluntariado com idosos, gestantes e pessoas portadoras de necessidades especiais para buscar coisas na farmácia e compras (no mercado)”, completa.

 

“Temos outras maneiras de fazê-la essencial”

As atividades do Núcleo Espírita Chico Xavier, de Palhoça, têm se adaptado aos serviços online desde o primeiro decreto anunciado pelo governador, no dia 17 de março, que orienta a população à quarentena de isolamento social. Mesmo com a inclusão das atividades religiosas no grupo dos serviços essenciais, o grupo seguirá as orientações estaduais, mantendo os contatos físicos restritos a partir de encontros via Facebook, Instagram e YouTube. “Mesmo que o governo federal a coloque como atividade essencial, temos outras maneiras de fazê-la essencial”, justifica a presidente do núcleo, Rosana Ponche. 

Ponche afirma que manter as atividades, mesmo que remotamente, é imprescindível neste momento de crise: “O público que nos acompanha é formado por pessoas de várias necessidades, com processos depressivos, síndrome de pânico, desequilíbrios emocionais, problemas familiares. Eles dependem muito do equilíbrio, da palavra de conforto, da orientação que a gente dá semanalmente”. O núcleo conta, hoje, com cerca de 80 participantes. 

O presidente do Centro Espírita Humildade e Fé, José Carlos, afirma que a instituição seguirá as recomendações dos órgãos de saúde enquanto o Covid-19 estiver circulando no estado. Com sede na Ponte do Imaruim, o centro está focando apenas nas atividades remotas. “Mesmo nas atividades online, há vários pedidos de ajuda, que estamos atendendo com orações a distância”, contextualiza. Carlos assegura que, quando as atividades presenciais retornarem, haverá ainda muitas restrições e cuidados. 

Em nota aos Dirigentes Espíritas de Santa Catarina, em 18 de março, a Federação Espírita Catarinense (FEC) reforçou a importância da prevenção contra o Covid-19: “É nosso dever atender todas as recomendações dos órgãos públicos, a fim de colaborar com a campanha de prevenção para, num esforço coletivo, determos a curva de contaminação do vírus”. 

 

Nos terreiros e casas de Axé, o foco é a prevenção

No terreiro da mãe de santo Raquel da Cunha, em Palhoça, as atividades só devem retornar quando o grupo sentir que o Covid-19 não representa mais perigo na região. “Eu não tenho coragem de colocar os médiuns em risco, de contrair e levar para algum ente querido. Então, nós também temos que pesar isso”, afirma. 

As medidas de prevenção são bem aceitas em outros terreiros de Umbanda na cidade. Em geral, a suspensão das atividades e isolamento social são consenso entre consulentes e médiuns. Na Tenda Espírita Cabocla Iracema, do Caminho Novo, por exemplo, mensagens em apoio às orientações do Ministério da Saúde e de órgãos internacionais estão em destaque nas redes sociais. A ordem é ficar em casa. 

Em um espaço de Candomblé em Palhoça, todas as funções foram suspensas há 15 dias, a partir de orientações do babalorixá e de entidades que trabalham na casa. “O babalorixá é profissional da saúde, é técnico de enfermagem e estudante de enfermagem”, explica Leonardo Kretzer, ogan na casa. As funções que estavam marcadas para este período foram adiadas até que o quadro de disseminação do coronavírus seja estabilizado. 

Kretzer ressalta, ainda, a importância do isolamento no cenário atual: “O espaço de uma Casa de Axé, enquanto local de acolhimento, convívio social, culto de ancestralidade e tradição, é um espaço de convívio geracional, possuindo algumas pessoas da terceira idade, crianças e adultos. Constitui um espaço de disseminação em potencial”.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg