f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Entidades classistas querem evitar lockdown total

Dirigentes demonstram apoio a medidas restritivas de combate à Covid-19 que não impliquem em fechamento de atividades

aae10d942c6e09963191fc497566aa07.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

Entidades catarinenses manifestaram apoio, no sábado (27), às medidas de enfrentamento à Covid-19 adotadas pelo governo do estado. Representantes de diversos segmentos econômicos defenderam as determinações do Decreto 1.172, que suspende o funcionamento de serviços não essenciais das 23h de sexta-feira até as 6h de segunda-feira, no último final de semana e no próximo.

As entidades destacaram que o setor produtivo tem adotado, desde o início da pandemia, todos os cuidados e protocolos de proteção da saúde. O Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (Cofem) manifestou seu apoio às medidas restritivas previstas nos dois decretos do governo do estado. O Cofem defendeu, em nota, que, “com a devida observância dos protocolos sanitários, a segurança dos trabalhadores é garantida e que a adoção de um lockdown completo não é a melhor resposta para enfrentar o agravamento da pandemia”.

O conselho é composto pelas Federações das Indústrias (Fiesc), do Comércio (Fecomércio), da Agricultura (Faesc), dos Transportes (Fetrancesc), das Associações Empresariais (Facisc), das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL), das Micro e Pequenas Empresas (Fampesc), além do Sebrae-SC. “A vida está sempre em primeiro lugar. Não há contradição entre a manutenção da atividade fabril e a proteção à saúde das pessoas. Os profissionais estão seguros dentro das fábricas, pois os protocolos são rigorosos e seguidos à risca. A indústria está comprometida com a sociedade e desde o início da crise desenvolveu inúmeras ações de apoio”, disse o presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar.

Ele também lembrou que a atividade industrial faz parte de uma cadeia essencial, e, por isso, sua interrupção teria graves consequências, inclusive para produção de alimentos, bebidas, embalagens e outros itens necessários ao enfrentamento da pandemia.

Para o presidente da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc), Sérgio Rodrigues Alves, é necessário primeiro avaliar os resultados alcançados com o decreto em vigor. “Vamos aguardar os resultados do atual decreto para depois, caso não tenha surtido efeito desejado, adotar medidas mais duras”, reflete. Na sexta-feira (26), a Facisc emitiu um comunicado apoiando o decreto do Governo do Estado. A entidade congrega 148 associações empresariais e mais de 34 mil empresas em Santa Catarina.

A Federação das Empresas de Transporte de Carga do Estado de Santa Catarina (Fetrancesc) também reiterou apoio ao posicionamento do Governo do Estado. Em nota, a Federação aprova as restrições nos fins de semana, por considerar o período com maior número de aglomerações clandestinas. “A contaminação não vem só de quem trabalha, aliás quem trabalha gera economia para o custeio das atividades do Estado. Creditamos o maior contágio ao convívio social indiscriminado e irresponsável”, declara o texto.

O presidente da Federação dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares do Estado de Santa Catarina (Fhoresc), Estanislau Emílio Bresolin, reforçou, em ofício, que "para combater os efeitos da pandemia da Covid-19, é necessário permitir que empresas e trabalhadores voltem a produzir recursos necessários à própria sobrevivência, como também para gerar tributos que permitirão ao Estado enfrentar de maneira adequada a crise".

A Associação Empresarial de Palhoça (Acip) reconheceu a gravidade da crise pela qual a saúde passa neste momento. No entanto, acredita que o momento exige sobretudo, conscientização por parte da população. “Empresa aberta não é porta de entrada do vírus, é garantia de preservação de empregos e de renda, proporcionando equilíbrio social e a perspectiva de um novo momento para o futuro de todas as famílias”, afirma o presidente da associação, Ivan Cadore.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg