f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Entidades sugerem corte no salário de vereadores

Observatório Social, Acip e CDL protocolam documento na Câmara

891066bede23069731649fcfd9b45269.jpeg Foto: DIVULGAÇÃO

O Observatório Social do Brasil/Palhoça, a Associação Empresarial de Palhoça (Acip) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) local se uniram na articulação de um documento, enviado nesta sexta-feira (17) à Câmara de Vereadores, em que solicitam aos parlamentares palhocenses a redução de salários e o repasse de valores ao Executivo, exclusivamente para investimento em ações de enfrentamento da pandemia da Covid-19.

O documento foi protocolado no final da tarde na Casa Legislativa, mas como o presidente, o vereador Joel Filipe Gaspar (Pakão), já havia finalizado o expediente, o assunto só deverá ser analisado pela presidência na segunda-feira (20) – e provavelmente seja debatido em sessão.

No documento, as entidades refletem que a “a sociedade brasileira vive um drama inimaginável” e que a pandemia causada pelo novo coronavírus está “pondo em risco a saúde de toda a nação e colapsando a nossa economia, como nenhuma outra crise nos últimos 50 anos foi capaz de fazê-lo”. Portanto, entendem que é momento de união e de “divisão equânime de sacrifícios”, ou seja, todos têm que fazer sua parte na “geração de esforços na busca de soluções para o bem comum”.

Assim, as entidades acreditam que a Câmara de Vereadores tenha a obrigação de contribuir financeiramente junto ao investimento que o Executivo tem feito em ações articuladas para mitigar a proliferação do vírus e minimizar os impactos socioeconômicos em Palhoça. E o dinheiro dessa contribuição viria da seguinte forma: repasse de pelo menos 20% da verba oriunda do duodécimo (estimado em R$ 428.333 por mês) ao Executivo, durante o período de combate ao novo coronavírus; redução dos salários dos vereadores em 30% até o final de 2020, o que geraria uma economia de R$ 65 mil mensais (o que representaria mais de R$ 500 mil economizados até o final do ano); e redução de 25% da remuneração de assessores e comissionados, gerando uma economia mensal estimada em torno de R$ 100 mil (R$ 800 mil até dezembro); e a reavaliação de valores de contratos de prestadores de serviços (pela planilha apresentada no documento, as despesas anuais giram em torno de R$ 2 milhões).

O documento também cita outros dados de despesas relativas ao funcionamento da Casa - que tem o orçamento para 2020 estabelecido em 25,7 milhões -, como: os vencimentos mensais dos vereadores, de R$ 12.825,04 (somados os 17 vereadores, o custo é de R$ 218.025,68 mensais à Câmara); e as despesas com os gabinetes (são 68 assessores, quatro por gabinete; e mais seis assessores de uso comum em toda a Câmara), que totalizam R$ 401.710,70 mensais. 

O dinheiro economizado e repassado ao Executivo poderia ser utilizado, por exemplo, na compra de materiais de proteção sanitária, como os equipamentos de proteção individual (EPIs) para os profissionais da saúde, de segurança e demais serviços essenciais; e para a compra de testes, a serem aplicados na população palhocense, o que ajuda a compor um panorama mais realista da proliferação da doença no município. Hoje, há apenas 15 casos confirmados, mas o poder público admite que este número é muito maior. Devido ao baixo índice de testagem no país, especialistas têm estimado que a quantidade de infectados seja, no mínimo, sete vezes maior do que a indicada pelas estatísticas oficiais.

 

Outra solicitação tramitando

Outra solicitação com teor semelhante já está tramitando na Câmara de Vereadores. O Projeto de Resolução 28/2020, proposto pelo vereador Nirdo Artur Luz (Pitanta) no dia 13 de abril, propõe a redução de 20% dos salários doe vereadores pelo período de 60 dias. “O presente projeto de resolução tem por intuito a redução do subsídio dos vereadores pelo período de 60 dias levando em conta a situação de emergência instalada no território estadual e municipal, em razão do Covid-19. E, ainda, que a economia do país e, em especial, do município de Palhoça, sofrerá grandes impactos em decorrência das medidas estabelecidas para o isolamento social da população. Pondera-se, ainda, que é dever do gestor público utilizar todos os esforços para combater a pandemia do novo coronavírus”, reflete o vereador, na solicitação.

O projeto de resolução teve a primeira leitura no dia 14 de abril e no dia seguinte foi encaminhado à presidência da Câmara.

 

Prefeitura reduz salários

No Decreto 2.571/2020, editado no dia 3 de abril, o prefeito de Palhoça, Camilo Martins, determinou a contenção de despesas nos cofres municipais. Pelo período de 60 dias, reduziu em 30% a própria remuneração e em 20% os salários do vice-prefeito e dos secretários municipais. "Como todos sabem, estamos vivendo um período muito difícil, ocasionado pelos impactos do isolamento social para combater a pandemia do Covid-19. A economia mundial está afetada, e não é diferente em nossa cidade. A arrecadação municipal diminuiu drasticamente, e muitas empresas estão sendo prejudicadas. Por isso, chegou o momento de darmos o exemplo como gestores municipais, cortando na própria carne o nosso salário", concluiu o prefeito Camilo Martins.

 

Nada de redução na Alesc

Já a Assembleia Legislativa de Santa Catarina decidiu não reduzir salários. Na Moção 93/2020, o deputado Bruno Souza (Novo) sugeria à Mesa da Assembleia Legislativa a elaboração de projeto que cortasse os salários dos deputados, verbas de gabinetes, cotas para exercício parlamentar e vencimentos dos servidores do Poder Legislativo. A proposta foi rejeitada.

O presidente da Alesc, deputado Julio Garcia (PSD), justificou que as ações para redução de custos adotadas em conjunto por Judiciário, Assembleia Legislativa, Tribunal de Contas do Estado e Ministério Público Estadual, anunciadas no dia 6 de abril, já levam em conta o pior cenário de arrecadação projetado para o estado e não prejudicam o atendimento prestado pelos poderes e órgãos. “A penúltima coisa que se corta na crise é salário. A última é a demissão. É uma questão social”, disse o presidente.

 

Quer participar do grupo do Palhocense no WhatsApp?
Clique no link de acesso!
 

 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg