f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Prefeito reúne a imprensa para detalhar projetos

Camilo Martins explicou a intenção da Prefeitura com os projetos que fazem parte do programa “Palhoça + Eficiente”

270f7441df13da059eb879b743213abd.jpeg Foto: DIVULGAÇÃO

Texto: Isonyane Iris

Diante de constantes questionamentos com relação à parceria público-privada (PPP) que futuramente deve prover o serviço de iluminação pública no município, o prefeito de Palhoça, Camilo Martins (PSD), convocou a imprensa e convidados para um café da manhã na última terça-feira (19), na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), em Florianópolis. O prefeito aproveitou a ocasião para detalhar a intenção da prefeitura em diferentes projetos que compõem o programa “Palhoça + Eficiente”. 

O programa “Palhoça + Eficiente” foi lançado em 2017. Desde então, o prefeito conta que tem trabalhado para identificar todos os problemas do município e buscar soluções através do procedimento de manifestação de interesse (PMI). “Dessa forma, as empresas apresentam seus projetos para tal situação, soluções e com base nisso é feito um estudo onde nós escolhemos a melhor solução, a mais adequada, e isso vira um edital. A partir disso, o edital vai para o Tribunal de Contas, onde é feita uma análise, onde depois de aprovada e autorizada nós podemos publicar esse serviço”, explica o prefeito, destacando que seria como trazer a iniciativa privada, com a sua expertise e eficiência, para fazer um serviço que a Prefeitura, muitas vezes, não atende como deveria.

Camilo deu como exemplo a situação da ponte pênsil da Guarda do Cubatão, que por conta de um rompimento de cabos está interditada até que o processo de licitação seja concluído. “Se nós já estivéssemos colocando em prática o programa Palhoça + Eficiente, através do PMI, a solução já poderia teria sido feita”, acredita.
Inicialmente, o programa vai operar em áreas como iluminação pública, saneamento básico, transporte coletivo e outras seções que estão sendo analisadas. “São diversas áreas, porque nós queremos a melhoria dos serviços públicos, com mais eficiência e a expertise da iniciativa privada para melhorar a cidade de Palhoça”, garante Camilo.

“O programa, como o próprio nome diz, busca eficiência do serviço público. A partir do momento em que a gente assume que não tem mais capacidade de investir para resolver alguns serviços, a gente traz a iniciativa privada para nos ajudar e como ela nos ajuda? No primeiro momento, fazendo estudos para trazer a melhor solução pra gente; no segundo momento, firmando um contrato de concessão. Então, a ideia é transferir o risco do investimento para a iniciativa privada e focar com o poder público a reponsabilidade de fazer a gestão e fiscalização desses serviços”, resume a secretária municipal de Administração, Cristina Schwinden Schmidt. A secretária destacou ainda que todas as empresas que ganharem essas licitações vão ter indicadores muito claros de desempenho. “Por exemplo: a que ganhar a iluminação pública tem que diminuir 50% de consumo de energia elétrica. Se ela não conseguir alcançar esse indicador, ela simplesmente não recebe a parcela sobre o serviço prestado. 
Então, a nossa função deixa de ser a de executora e passa a ser a de fiscalizadora”, define a secretária. “Sabemos que é um programa que muitas vezes assusta as pessoas, por passar a falsa ideia de que a Prefeitura vai entregar o serviço para uma empresa por 30 anos, mas esse tempo não foi algo que eu decidi, quem decidiu foi a Fundação Fipe, que faz a demonstração direta de um estudo socioeconômico por período, com a justificativa de que esse tempo servirá de atrativo para as empresas virem a disputar as licitações. Porque não adianta colocar por apenas cinco anos e nenhuma empresa querer participar, pois o investimento é muito alto”, justifica o prefeito.

 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg