f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Falando Sério - Edição 642

Reféns do medo

Sexta-feira passada, estávamos em Balneário Camboriú, era meia-noite, minha esposa dormia e eu estava acabando de tomar banho. Quando terminei de colocar o pijama, escutei um barulho de abrir porta. A porta do quarto estava fechada à chave e as demais luzes estavam apagadas.

Quando pensei em abrir a porta do quarto, notei, pela claridade por baixo da porta, que a lâmpada do corredor havia sido acesa e notava-se que alguém passava de um lado para o outro. Chamei minha esposa e contei o que estava ocorrendo. Ela disse: “Vai ver o que é”.

Ora, eu não tinha arma alguma e podia ser que houvesse um intruso armado. Então, escutei alguém tossindo. É claro que a preocupação aumentou, e eu, que já estava nervoso, fiquei muito mais. Foi quando escutei alguém dizer: “Somos nós. Chegamos agora”. Era o meu neto e a minha filha que estavam chegando e tinham a chave do apartamento. O nervosismo foi passando, a pressão baixou e fomos, juntos, tomar um café.

Imaginemos que fossem ladrões e o que poderia ter-nos acontecido: roubados ou mortos, como acontece com tantas pessoas, inesperadamente. Que tranquilidade podemos ter, vivendo numa sociedade sem normas de conduta, sem educação, onde o medo dirige nossa vida? Os que estudam e trabalham, as famílias, onde os maridos e mulheres lutam diariamente pelo pão de cada dia e são reféns de vagabundos, bandidos, condenados que estão soltos pelas ruas cometendo mais crimes.

Os movimentos grevistas dirigidos por indivíduos que só querem o poder, pouco importando a quem irão prejudicar, quebrando vitrines, roubando, queimando ônibus, agredindo pessoas que querem trabalhar, agem com desorganização e violência, e atingem apenas os mais pobres.

Será que é o povo que tem, sempre, que pagar pelos erros dos políticos? Por que os grevistas não vão reclamar diante das prefeituras, das câmaras de vereadores, nas assembleias, no Congresso, no Judiciário? Por que os grevistas não têm uma pauta para exporem seus problemas?

São usadas, sempre, as mesmas atitudes covardes da violência. E é sempre o povo trabalhador e honesto quem vai pagar a conta dos políticos.

As eleições estão chegando. Tenho certeza que o povo vai eleger e reeleger os mesmos corruptos, por quaisquer 10 reais, pouco se importando com o futuro. O que as famílias e a sociedade em geral vão deixar às novas gerações? Corrupção? Violência? Será que vamos ter que viver eternamente com o medo? O que fizeram com a educação, com o respeito, com os direitos e deveres?

PARA PENSAR: "O homem racional e civilizado é o primeiro entre os animais, ou é o último, quando vive sem lei e sem justiça".



Publicado em 07/06/2018 - por Juarez Nahas

btn_google.png btn_twitter.png btn_facebook.png








Autor deste artigo


Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg