f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Moradores reclamam de obra no Laranjeiras

Prefeitura está instalando tubulação em uma vala

101d64e92a65f807a8c9b379066fcbdd.JPG Foto: NORBERTO MACHADO

Uma obra da Prefeitura para a colocação de canos em uma vala que corta diversas ruas no loteamento Laranjeiras tem incomodado os moradores locais. “É uma nojeira, isto aí”, aponta a professora Cristiane Oliveira Rosa, que mora bem ao lado da vala, na rua Nove de Julho.

Quando a equipe de reportagem chegou ao local para conferir a situação, um rato saiu em disparada de dentro da tubulação e embrenhou-se na vegetação que margeia a vala. Moradores contam que a passagem de água existe há anos, mas a situação piorou depois do início das obras, há cerca de três meses. “Eu passo um trabalho aqui, com mosca, rato, cobra, pernilongo, mau cheiro”, conta a professora, que mora no local há 31 anos. Cristiane relata que uma vizinha já pegou leptospirose, doença infecciosa causada por uma bactéria presente na urina de ratos e outros animais. Conforme outros moradores iam se aproximando, a lista de animais vai se ampliando: falou-se até em lagarto e jacaré. E todos foram unânimes em apontar que a situação ficou ainda mais crítica depois do início das obras. “Às cinco horas, tu tem que fechar a casa, porque com a quantidade de pernilongo que vem, tu não consegue dormir”, afirmou outro morador.

Por enquanto, o que dá para perceber é que sob as ruas (não só na Nove de Julho, mas na paralela Diogo de Botelho também) estão sendo posicionados blocos - os moradores contam que cada bloco possui 20 canos, emendados. No restante da vala, nada. Nem limpeza foi feita. Aliás, segundo os moradores, raras foram as vezes em que a Prefeitura promoveu a limpeza do local.

Esta é uma das principais reclamações, com relação à limpeza: não seria mais fácil limpar primeiro para depois implantar a tubulação? “Não adianta ficar colocando tubulação se nunca fazem a limpeza”, ponderou outro morador.

Outra questão apontada pela população local é com relação a uma elevação que foi feita na rua para o encaixe da tubulação. Por que não foi feito um aterro para acomodar os canos de forma que aquele trecho ficasse nivelado com todo o restante da via? Sem contar que não teve cano suficiente para cobrir a largura da rua. Assim, onde antes passavam dois carros, agora passa apenas um (os moradores esperam que a situação seja apenas temporária). E entre os canos e os muros da casa, há um espaço aberto, porque a tubulação não ficou alinhada aos limites dos imóveis vizinhos. Ou seja: há um vão de cerca de dois metros de um lado e outro de cerca de quatro metros do outro lado da rua; quem vier caminhando pela calçada distraído pode ir parar dentro da vala. Anos atrás, os moradores contam que uma criança morreu afogada ali, e eles temem que uma nova tragédia possa vir a acontecer. “Isso aqui vai ficar quanto tempo aberto?”, perguntou outro morador, referindo-se ao espaço da calçada.

Esse morador, que mora há mais de 20 anos em uma casa na rua Nove de Julho, lamenta que ao abrir espaço para o posicionamento dos canos, a equipe que toca a obra destruiu a calçada que havia ali e as lajotas foram jogadas em seu terreno. E continuam jogadas. “Estava tudo arrumadinho, direitinho. Aí vieram e olha só do jeito que deixaram, que perigo para as crianças”, lamenta o morador, que havia desembolsado o próprio dinheiro para arrumar a calçada.

Os moradores contam que levaram a questão até o Ministério Público. Para eles, o que deveria ser a realização de um sonho, com a colocação de uma tubulação que abrigasse toda a extensão da vala, virou um pesadelo. “No dia em que eles chegaram aqui com os tubos, eu fiquei tão feliz, porque imaginei que iriam tubular tudo. Aí vieram para cá e estragaram tudo”, lamenta Cristiane, que chegou, até, a fazer planos para o futuro. Caso a vala fosse totalmente envolvida pelo encanamento, ela iria propor que se fizesse um passadiço sobre os canos, com um calçadão e uma horta comunitária ao centro.

O Palhocense entrou em contato com a Prefeitura solicitando explicações aos moradores, mas nenhuma resposta havia sido encaminhada até o fechamento desta edição.



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: NORBERTO MACHADO NORBERTO MACHADO
Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg