cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

31912c67f113f2bc58ba76fe5f16f0c1.jpeg Por meio do Governo do Estado, Epagri Ciram realiza ações de apoio à pesca

05869665556f62f815b6c2a9f54623e6.jpeg Professores e alunos da Ponte do Imaruim reclamam de horários do transporte coletivo

2a46e516208184553913a41ae23578e0.jpeg Através de campanha solidária, evento de Dia das Crianças deve ocorrer no São Sebastião

124a5fd64c0300628c002b6987790ece.jpeg Acusado de matar pelo menos 15 pessoas é preso na Ponte do Imaruim

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


Educação na Colônia Penal: docentes vão propor EAD

Propostas serão formalizadas em um documento coletivo, que será entregue às autoridades responsáveis

9587bdfc5312fec8fab17c57ad6fdca5.jpg Foto: DIVULGAÇÃO/PXFUEL

Por: Sofia Mayer*

 

Uma reunião entre uma comissão de professores e o Ministério Público de Santa Catarina (MP/SC), nesta terça-feira (21), definiu que docentes contratados em caráter temporário (ACTs) e que atuam na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e nas unidades prisionais do estado pensem em alternativas para a execução do ensino à distância (EAD). As propostas, que serão formalizadas em um documento coletivo e entregues para análise às secretarias responsáveis, devem levar em conta as respectivas áreas de atuação dos profissionais e particularidades de cada unidade.

A questão traz esperança aos docentes da Colônia Penal Agrícola de Palhoça, que, desde a divulgação de um ofício pela Secretaria de Estado da Educação (SED), temem que não tenham seus contratos de trabalho renovados neste ano: “Estamos avançando nos diálogos, o que é muito bom. Quem sabe, se acharem as ideias viáveis, haja a abertura de turmas para o segundo semestre. Estamos confiantes”, comenta a professora de química Dayane Kayser, da unidade de Palhoça. Os vínculos, segundo o documento, terminam no dia 2 de agosto.

O contrato no sistema prisional costuma ter limite semestral, mas, segundo os professores, sempre ocorre a abertura de novas turmas no período seguinte. “Assim, sempre temos nosso vínculo renovado. De fato, nosso contrato se encerra no dia 2 de agosto, dando início ao novo semestre, e, por conseguinte, há renovação dos professores já atuantes nessa modalidade de ensino”, explica Dayane. A busca da classe é que o prolongamento siga acontecendo em 2020.

A professora Luiene Veloso, que atua no presídio feminino de Itajaí e participou do encontro nesta terça, comenta que o MP/SC se mostrou aberto a auxiliar a categoria e intermediar a situação junto à Secretaria de Justiça e Cidadania e à SED, para que medidas alternativas ao ensino presencial sejam aplicadas. A ideia é garantir o emprego dos profissionais que colaboram na Educação de Jovens e Adultos (EJA) e nas unidades prisionais no estado, além de minimizar os prejuízos escolares dos apenados. Só na Grande Florianópolis, são 79 professores que ficariam sem emprego caso não haja extensão contratual. “Os professores estão, neste momento, trabalhando em uma proposta de prática que seja factível, que possa ser aplicada nas unidades prisionais e socioeducativas. Eles estão fazendo isso de maneira autônoma, estão trabalhando por conta, organizando essa proposta”, esclarece Luiene. O plano deve ser enviado no domingo (26) ao Sindicato Estadual dos Professores (Sinte) e, depois de alinhado, será encaminhado, junto ao MP/SC, para as secretarias responsáveis.

Ao pensar em propostas para a EAD, os professores se apoiam no artigo 11 da Lei de Execuções Penais, que garante a assistência educacional aos internos, e na Lei Federal 12.433, de 2011, que prevê aos privados de liberdade a remição de pena através do estudo. 

Para Dayane Kayser, os docentes podem contar com o auxílio de coordenadores educacionais, que continuam atuando nas unidades prisionais. “A Colônia Penal Agrícola de Palhoça possui duas estagiárias de Pedagogia que atuam no setor da educação e, mesmo com a pandemia, trabalham presencialmente na unidade”, explica. Uma das sugestões já apresentadas pela classe seria a entrega de atividades impressas aos alunos.


Relembre o caso

No início da semana, o jornal Palhocense publicou sobre a situação dos professores ACTs que atuam na Colônia Penal Agrícola de Palhoça. Segundo manifestações da SED e da Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa (SAP), por conta da pandemia, os profissionais não devem ter seus contratos renovados no próximo semestre. Também não há previsão para recontratação dos docentes.

Em Palhoça, 13 professores serão afetados se a decisão se concretizar. As aulas na unidade, que conta com turmas de Ensino Fundamental e Médio, estão suspensas desde 19 de março. 

Clique aqui e saiba mais!

 

* Sob a supervisão de Luciano Smanioto

 

Quer participar do grupo do Palhocense no WhatsApp?
Clique no link de acesso!
 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg