0018acfd3a4589ba9a37dec3dfe3f847.jpg Covid-19: como fica a vacinação nesta quarta-feira (08)

5fc9fe267fd4209dc5ec0527bef52bfd.jpeg Polícia Rodoviária Federal promove doação de brinquedos

ad429bfc43c61bfcd1caca1612b59100.jpeg Encontro virtual sobre mudanças climáticas e sociais ocorre nesta terça (7)

69e772c5808f26b5e49e0f2b22975e57.jpg Secretaria de Saúde reforça importância da aplicação da dose de reforço

c8c125531c8b83654f9309cecc6a2724.jpeg PRF flagra 37 motoristas dirigindo sob efeito de álcool em Palhoça

11d4d8dfbedca0fc2f3758ec2013de07.jpg Final da Copa Sênior Palhoça de Futebol é nesta terça-feira (7)

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

Fiesc busca solução para questão indígena no Morro

O procurador do estado Alisson de Bom de Souza defendeu a busca por uma solução viável para as demarcações indígenas no Morro dos Cavalos

ba0332ac2598ea19e111efbe3c1a1af8.jpg Foto: FILIPE SCOTTI/FIESC/DIVULGAÇÃO

O procurador do estado Alisson de Bom de Souza defendeu a busca por uma solução viável para as demarcações indígenas no Morro dos Cavalos. O assunto, que influencia diretamente nas obras de duplicação da BR-101 Sul e no projeto da ferrovia litorânea, foi debatido em encontro da reunião conjunta da Câmara de Assuntos de Transporte e Logística da Fiesc e do Conselho Estratégico de Infraestrutura na sede da federação, em Florianópolis, nesta quarta-feira (2). “O posicionamento do estado é que seja feito o cumprimento fiel da Constituição. Precisamos propor alternativas que atentam o desenvolvimento do estado e respeitem a preservação da cultura indígena”, destacou o procurador.
O presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, também destacou a busca por uma solução conciliatória. A federação deve levar a questão em encontro no Ministério da Justiça, no próximo dia 9, com o ministro Sérgio Moro. “Dá para compatibilizar a convivência dos índios com a rodovia e outras obras de infraestrutura”, avalia Aguiar. 
No encontro, o procurador do estado resgatou um panorama histórico dos processos de demarcação em Palhoça. Ele explicou que em outubro de 1995 foi apresentado um relatório propondo 121 hectares de demarcação na área. Em 2000, lideranças indígenas solicitaram uma nova delimitação e, em 2002, foi determinado 1.988 hectares de demarcação, o que nunca recebeu a homologação da presidência da República.
Em 2014, o estado de Santa Catarina ingressou com uma ação no Supremo Tribunal Federal, solicitando a invalidade do último processo demarcatório. Entre os pontos alegados na ação, estão a falta de oportunidade para que interessados, que já moravam nas terras, participassem do processo, e a impossibilidade da Funai ser a responsável pelas demarcações.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg