f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Integrante de facção condenado: 23 anos de prisão

Pena equivale à soma das condenações pelos crimes de homicídio qualificado e de organização criminosa

e0395ce9e13b0d065e673bd02e985a54.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

O Tribunal do Júri de Palhoça condenou, por maioria dos votos, um integrante de facção criminosa a mais de 23 anos de prisão: 17 anos, três meses e 10 dias pelo crime de homicídio qualificado; e seis anos, cinco meses e dois dias pelo crime de organização criminosa. Como os dois crimes foram cometidos de forma independente, sem relação de causa e efeito, as penas foram somadas.

Conforme a denúncia feita pelo Ministério Público, o réu executou um homem no Frei Damião no dia 18 de novembro de 2017 pelo simples fato de entender que a vítima pertencia a um grupo criminoso rival. Tanto que o casal que estava com a vítima no local para receber o dinheiro da venda de um automóvel foi liberado pelo réu depois que ele se certificou de que o homem e a mulher não pertenciam a qualquer facção criminosa.

A sessão do Júri aconteceu na quinta-feira (5), no Fórum de Palhoça. Atuou pelo Ministério Público o promotor de Justiça Alexandre Carrinho Muniz, e o julgamento foi presidido pelo juiz de Direito Fúlvio Borges Filho. A defesa do réu perante os jurados foi feita pelo advogado Anísio do Nascimento Júnior.  

O réu já havia sido condenado, anteriormente, por outras duas ações penais distintas por homicídio qualificado, além de uma ação penal pelo crime de porte ilegal de arma de fogo, ocorridos no ano de 2018 na Comarca de Palhoça.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg