f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Encontos & Desencrônicas - 635

Que me devolvam meu coração rasgado e minhas vísceras rompidas

Por: Urda Alice Klueger*

Já faz tanto tempo que o país começou a morrer, e eu com ele, que já não sei quando foi. Lembro do ano anterior, quando resolvemos ir ao Uruguai conhecer o Mujica no estreito espaço das férias coletivas de quase todo o mundo, o que significava sair no dia de Natal, e naquele ano, até o Natal, na cidade quente em que eu morava não viera o calor e não fora necessário ligar o ar condicionado. O calor chegou exatamente no dia 25 de dezembro; quanto mais rodávamos em direção ao sul, maior o calor ia ficando, assim aquele calor que só se desfez no final de março.

No verão seguinte, o calor não se fez esperar: estava inteiramente presente desde o primeiro de novembro, e não havia ar condicionado que chegasse. Dei-me conta de que algo estava errado quando fui a uma lan-house que havia perto da minha casa (onde também se tiravam xerox e outras coisas) e o dono, lá, xingava despudoradamente a Dilma, a presidenta que eu ajudara a eleger.

- Vaca! Nojenta! _ e outros adjetivos do gênero dirigidos à nossa presidenta.

Juro que até então estava inocente dos acontecimentos que começavam a dividir o Brasil em ódio, e muito surpresa, tentei defender a Dilma. O argumento do comerciante vizinho era a conta da luz: de pouco mais de cem reais no dezembro anterior, passara dos 500 reais no dezembro findo, e ele não instalara sequer uma tomadazinha nova. O homem era ódio puro, coisa assim para correr com a gente, e caí fora pensando na ignorância dele, que não prestava a menor atenção em como o ar condicionado fora ligado mais cedo por conta do calor. Tanta gente não dá a mínima para a natureza, lembrei de gente que nem sabia de que lado o sol nascia... Não passava de um ignorante. E era. Não prestava atenção em nada, a não ser nos veículos de imprensa que lia e/ou assistia e estava ali, vociferando discurso decorado, destilando fel por todos os poros. Eu via muita televisão, na época, mas via a Telesur, através de uma antena parabólica que possuía, e tão envolvida estava com a América Latina que não tinha prestado atenção ao quintal de casa, quintal esse que agora é quintal do grande capitalismo internacional.

Comecei a me ligar através daquele ignorante, e naquele ano as coisas começaram a explodir. Primeiro, foram as passeatas. Como todo o mundo estava fazendo, na minha cidade também fizeram e eu fui ver _ historiador tem alguns compromissos na vida. Levara meu cachorro junto e então subi num banco com ele no colo, com medo que o pisoteassem, tamanha era a multidão. Quinze mil pessoas desfilaram naquela noite, o que era uma imensidade de gente para uma cidade pequena, e eu fiquei atenta às suas reinvindicações. A maioria pedia pela federalização da universidade local e pela duplicação da BR-470 _ na verdade, havia cartazes de todos os tipos, nada era definido, e não tenho lembrança de ter visto algum Fora Dilma. Fiquei tranquila quando, dias depois, um ex-colega de serviço, que chegara a ser meu gerente, me encontrou na rua e me disse, extasiado:

- Pela primeira vez na vida estive numa passeata! Nossa, como me fez bem! _ como se tratava de um sujeito que nunca soubera muito bem diferenciar a mão direita da mão esquerda, continuei tranquila.

Vieram os panelaços e tive que cortar do meu Facebook madame a quem admirava muito e que confessou publicamente como tinha ficado feliz por protestar. Santo Deus, o povo tinha ficado cego? Não sei se um pouco antes ou pouco depois a loira burra que trabalhava na loja da esquina teve passagem de avião paga para ir a São Paulo (ou ao Rio?) mandar a Dilma tomar no c*. Era loira, burra e muito bonita, adequada aquele papel. Imagina se colocariam lá uma mulata, por exemplo. Berrou até ficar rouca.

Em algum momento a coisa tinha ficado grande demais e houve aquela noite dos horrores, onde fiquei quatro horas seguidas olhando para a televisão, incrédula, aquela noite em que o Bolsonaro homenageou o coronel Ustra. Tão parva fiquei com o que aconteceu naquela noite que acabei escrevendo, sobre ela, um texto chamado "Pétreos e pútridos", que anda aí pelo Google.

Faz dois anos. E logo a seguir veio a noite no senado, e os pétreos e pútridos se repetiram, e a Dilma caiu e começou o grande assalto ao nosso país, coisa hoje sobejamente sabida, e o assalto veio diretamente ao meu coração e à minha capacidade criativa, e em dois anos escrevi menos de vinte crônicas, eu que tinha uma vida de correr atrás do tempo para dar conta de escrever tudo o que estava sempre em ebulição dentro de mim. Nenhuma delas teve a coragem de abordar este pesadelo que estamos vivendo _ tenho escrito sobre cachorrinhos, infância, coisas assim que como que me salvam da grande desgraça aonde estou enterrada, aonde o meu Brasil está enterrado, aonde tantas partes da América estão enterrados, e quando começou lá em Honduras, acho que em 2007 e eu estava (e estou) tão solidária com Honduras, quando pensaria que aconteceria conosco também? E o ódio, esse ódio espargido por todos os lados _ céus, como se sobrevive a uma coisa assim? Até escrevi um livro aí no meio, que sai a público em poucos dias, com o sugestivo nome de "No tempo da magia", nome bem adequado para quem não está suportando a realidade.

Eu quero a minha vida de volta, o meu coração de volta, a minha sensibilidade de volta, Sou uma pessoa rasgada, vísceras comidas pelo mal do entorno, e já não sei viver assim.

* Escritora, historiadora e doutora em Geografia
Sertão da Enseada de Brito, 17 de abril de 2018

 


- * -     - * -     - * -     - * -     - * -     - * -     - * -

 

LAR
 
Domicilio familiar...
Casa para se morar;
Lugar pra descansar;
Segurança pra voltar;
Resumidamente, LAR.
 
Palavra pequena...
Expressão extensa;
Energia pra renovar.
 
É preciso sempre se importar;
Reavaliar ou mesmo repensar;
Responder o que está no "ar"...
Quero fincar raízes para ficar?
Ou transformar a casa em lar?
 
Questões para se "questionar"...
Tudo se remete ao ato de amar...
Respeitar... Cuidar... Conversar...
Lar é ambiente pra "significar"...
É onde se deve encontrar "paz".
 
Andreza Truppel Amaral dos Santos
Professora e Pedagoga

 

- * -     - * -     - * -     - * -     - * -     - * -     - * -

 

Anoitecer

Ela dorme
E repousa nos seus sonhos
Ali corre com o tempo
Sem se importar 
Com qualquer coisa;
É criança em direção 
Ao vento,
Soprando sonhos e esperanças; 
Por algum motivo
Ela acredita
Em tudo isso;
Põe o lençol nas costas
E sai voando!

Clarisse Da Costa
Poetisa e artesã



Publicado em 19/04/2018 - por Palhocense

btn_google.png btn_twitter.png btn_facebook.png








Autor deste artigo


Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg