cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

31912c67f113f2bc58ba76fe5f16f0c1.jpeg Por meio do Governo do Estado, Epagri Ciram realiza ações de apoio à pesca

05869665556f62f815b6c2a9f54623e6.jpeg Professores e alunos da Ponte do Imaruim reclamam de horários do transporte coletivo

2a46e516208184553913a41ae23578e0.jpeg Através de campanha solidária, evento de Dia das Crianças deve ocorrer no São Sebastião

124a5fd64c0300628c002b6987790ece.jpeg Acusado de matar pelo menos 15 pessoas é preso na Ponte do Imaruim

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


Alunos desenvolvem sacola que vira adubo

Estudantes do primeiro ano do curso de Engenharia Química da UniSul criam o produto a partir do amido encontrado na mandioca

2866c33dc466882438d30bf25f59d60b.jpg Foto: Flor foto criado por jcomp - br.freepik.com

A maneira como o plástico vêm sendo utilizado é tema de discussões e debates por ambientalistas em todo o mundo, já que o material pode levar mais de um século para se decompor no meio ambiente. O Brasil é o 4º maior produtor de lixo plástico do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, China e Índia. O país também é um dos que menos recicla esse tipo de resíduo, em 2019, foram gerados 11,3 milhões de toneladas de plástico, mas apenas 145 mil são reciclados, cerca de 1,3% de acordo com a WWF Brasil, enquanto a média mundial é de 9%.  

Diante do cenário preocupante e da proposta de atividade a ser desenvolvida no Componente Curricular Vida & Carreira, Alexandre Luz Correa, Gustavo Stupp Brasil, Leonardo Mendes Da Rosa, Luiz Fernando Atvars Pereira, Michelle Fernandes Pereira, Veronica Sheikna Varone Finkler e Vitor Da Silva Schraiber, estudantes do primeiro ano do curso de Engenharia Química da UniSul, integrante do Ecossitema Ânima Educação, desenvolveram um protótipo de sacolas biodegradáveis, feitas com base de amido retirado de produtos naturais abundantes no país como a cana-de-açúcar, o milho, a batata e a mandioca, o que faz com que essas sacolas possam virar adubo depois do seu descarte. 

“Precisávamos criar um projeto de engajamento social e ao mesmo tempo, queríamos empreender, criar algo novo que fosse necessário e uma solução viável para tentar amenizar uma parte do problema do nosso meio ambiente”, ressalta, Luiz Fernando Atvars Pereira, um dos estudantes que desenvolveu o projeto.  

Com orientação da professora Francielen Kuball Silva, Doutora em Engenharia Química, o processo de desenvolvimento do protótipo levou cerca de dois meses para chegar ao produto final. Por meio de métodos de pesquisa, os estudantes desenvolveram também um trabalho científico, testando procedimentos experimentais e submetendo as matérias-primas a temperaturas distintas, com intuito de alcançar uma sacola o mais próxima possível das já existentes.  

“Percebemos que o problema das sacolas plásticas é que mesmo sendo um material reciclável no Brasil, apenas 1% do plástico descartado é reaproveitado. Também vimos que o nosso País é o 3º maior exportador agrícola do mundo, ou seja, teríamos matéria-prima para desenvolver nosso projeto com cana-de-açúcar, milho, batata e mandioca”, destaca Veronica Sheikna Varone Finkler, integrante do grupo.  

O desenvolvimento do projeto teve etapas iniciais de pesquisa e discussão sobre problemáticas ambientais. A definição do tema veio com a ideia de minimizar os impactos negativos do descarte inadequado e da superprodução de sacolas plásticas. A partir desse ponto, os alunos buscaram um produto orgânico, que pudesse oferecer uma degradação mais rápida para as sacolas biodegradáveis que seriam desenvolvidas. “Com as pesquisas em mãos, começamos a dar vida ao projeto sustentável de sacolas o mais próximo possível das tradicionais sacolas plásticas, porém que não agredisse o meio ambiente”, comenta Veronica.  

Entre erros e acertos os estudantes realizaram quatro tentativas na prática. O primeiro teste contou com o amido da batata e os outros com o amido da mandioca. Com os primeiros testes de produção, chegou-se no 4º protótipo, maleável, mais grosso e opaco, um plástico biodegradável produzido com mandioca plantada por um dos estudantes do grupo.  

Para a docente, fazer com que os alunos estejam aptos a pensar fora da caixa, com objetivos claros e que possam sanar uma demanda da sociedade é uma maneira eficiente de transformar estudantes em profissionais empreendedores, com capacidades técnicas apuradas e uma visão humana da sociedade sob diferentes aspectos.  “Nos cursos da UniSul buscamos fazer com que os estudantes tragam soluções que de fato impactem na sociedade. A ideia é que o desenvolvimento dos trabalhos não esteja atrelado somente as notas finais, mas, sejam parte fundamental na construção de profissionais comprometidos e cidadãos, atentos não só as demandas do mercado, mas também as necessidades da sociedade”, finaliza.  
 

Sobre a Unisul 

Com 56 anos de história, a Unisul conta com aproximadamente 20 mil alunos distribuídos em dez campus: Araranguá, Balneário Camboriú, Braço do Norte, Florianópolis, Florianópolis – Continente, Florianópolis –Ilha, Içara, Itajaí, Pedra Branca e Tubarão. A instituição passou a que integrar o Ecossistema Ânima Educação no início de 2021, tem seus cursos figurando entre os melhores do Sul do Brasil e obteve conceito máximo (5) na avaliação do Ministério da Educação (MEC). A universidade é também a empresa mais premiada pela ADVB catarinense e uma das marcas empresariais mais lembradas no Sul do Brasil. Atualmente com 70 cursos de graduação, 60 de especialização, seis de mestrado e três de doutorado. A instituição possui, também, uma tradição de universidade empreendedora e participativa no próprio desenvolvimento de Santa Catarina – foi a primeira universidade de ensino superior a participar do planejamento pioneiro do estado em 1973. 

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!



Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg