Atenção para as restrições no final de semana

Medidas adotadas pelo Governo do Estado envolvem suspensão de atividades não essenciais

fe9bc9e9b1cc69da6e0f5b335e677490.jpeg Foto: MARCELO BITTENCOURT/DIVULGAÇÃO

Por: Willian Schutz*

 

Quase um ano depois, o lockdown voltou. No último final de semana, as ruas de Palhoça estavam quase vazias, e as lojas, fechadas. A medida segue o Decreto nº 1.172/2021, publicado pelo governo do estado, que vem para amenizar os impactos provocados pela recente alta nos números da pandemia. No entanto, as determinações ainda geram discussões.

Nos últimos dias, instituições e entidades catarinenses têm se manifestado a respeito da suspensão das atividades não essenciais durante dois finais de semana. 

Apesar disso, das 23h de sexta-feira (25) às 6h de segunda-feira (1), o Estado registrou a segunda maior taxa de distanciamento social do Brasil. O índice foi de 44,83% - atingido no sábado (27). E a suspensão dos serviços não essenciais deverá se repetir neste final de semana. 

Em contrapartida, a Associação Empresarial de Palhoça (Acip) anunciou oficialmente que providenciou o encaminhamento de um ofício às autoridades do município e do governo do estado. 

Na publicação, a Acip argumenta que sua “luta maior é pela preservação de vidas, mas sem abrir mão da manutenção de empregos em todos os níveis”.

O texto publicado pela associação também afirma que as empresas palhocenses estão “tomando todos os cuidados sanitários e elas não podem ser responsabilizadas como vetores de contaminações”.

Outra instituição que se manifestou foi a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) de Palhoça. Em nota, a Câmara alegou que o novo lockdown pode “prejudicar mais uma vez aqueles que, mesmo já tão dilapidados, ainda honram a manutenção de empregos e sobrevivência de inúmeras famílias e que muito contribuem com seus impostos para a manutenção da máquina pública – tão necessária nesse momento singular”, consta, em parte do texto.

O Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (Cofem) divulgou um texto apoiando as medidas de prevenção recomendadas pelo estado, mas com ressalvas. Um trecho da publicação diz que, com a devida observância dos protocolos sanitários, “a segurança dos trabalhadores é garantida e que a adoção de um lockdown completo não é a melhor resposta para enfrentar o agravamento da pandemia”. 


Fiscalização

Desde março de 2020, quando houve o primeiro lockdown na Grande Florianópolis, uma série de protocolos tem sido exigida pelas autoridades. Disponibilização de álcool em gel nas entradas de estabelecimentos, distanciamento seguro, capacidade reduzida e uso obrigatório de máscara são algumas delas. 

Ainda através de publicação virtual, a Acip também afirma que “cabe às autoridades uma fiscalização rigorosa para coibir e punir liberalidades e aglomerações que colocam em risco as demais pessoas e comprometem a capacidade de atendimento das unidades de saúde da região”.

Contudo, a fiscalização vem ocorrendo - especialmente durante o período mais restritivo, o lockdown. 

Segundo o tenente-coronel Rodrigo Dutra, comandante do 16º Batalhão de Polícia Militar, sediado em Palhoça, de sexta (26) a segunda (1), foram realizadas nove ações conjuntas de fiscalização, com participação da Polícia Militar, da Polícia Civil, da Defesa Civil, da Guarda de Trânsito e da Vigilância Sanitária. 

Ainda conforme dito pelo comandante, nos dias 27 e 28 foram registradas 86 ocorrências, no total: 60 no sábado e 26 no domingo. 


Está proibido neste final de semana 

Comércio de rua não essencial

Shopping centers, centros comerciais e galerias 

Academias, centros de treinamento, salões de beleza, barbearias, cinemas e teatros

Shows, espetáculos e outros eventos de qualquer natureza - inclusive na modalidade drive-in. O mesmo vale para festas ou reuniões de caráter público ou privado como: excursões, cursos presenciais, missas e cultos religiosos

Bares, pubs, beach clubs, cafés, pizzarias, casas de chás, casas de sucos, lanchonetes e restaurantes; parques temáticos, parques aquáticos e zoológicos

Feiras, museus, exposições e inaugurações

Utilização de piscinas de uso coletivo, clubes sociais e esportivos e quadras esportivas, bem como qualquer atividade esportiva

Agências bancárias, correspondentes bancários, lotéricas e cooperativas de crédito

Serviços públicos “não essenciais”, em âmbito municipal, estadual ou federal, que não puderem ser realizados remotamente

Concentração, circulação e a permanência de pessoas em parques, praças e praias;

Aglomeração de pessoas em qualquer ambiente, seja interno ou externo, em cumprimento às regras sanitárias emitidas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES).

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg