Case da Guarda do Embaú é apresentado na Austrália

Liderança do Comitê Gestor da Reserva Mundial de Surfe participa de conferência

e76587817f3035c59d09ef9bb5658b3b.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

A Austrália foi palco, em fevereiro, de dois eventos com foco na promoção do reconhecimento do valor das ondas e sua proteção. Na icônica Gold Coast, entre os dias 10 e 14, foi realizada a 6ª Conferência Global das Ondas 2020, e entre os dias 18 e 23, aconteceu a Celebração de Dedicação Oficial de Noosa como a 10ª Reserva Mundial de Surfe (RMS).

O evento da Gold Coast reuniu as melhores mentes internacionais das comunidades do surfe, conservação e inovação para enfrentar os problemas oceânicos mais desafiadores do mundo e dele participaram cerca de 400 delegados representando 19 nações.

Dos 66 conferencistas, cinco eram brasileiros: Ana Paula da Silva ("Mudanças Climáticas no Hemisfério Sul"); Guilherme Vieira da Silva ("Tamanho das Ondas Conforme a Direção dos Ventos"); Maurício Duarte dos Santos ("Leis de Proteção das Ondas Considerando o Planejamento do Espaço Marinho"), Mauro Figueiredo ("Surfistas Defendendo Áreas Protegidas no Brasil – Programa Nacional das Reservas de Surfe") e Marcos Aurélio Gungel (Kito), presidente do Comitê Gestor Local e gerente da 9ª Reserva Mundial de Surfe - Guarda do Embaú, que participou do workshop das Reservas Mundiais de Surfe. 

A Conferência contou com a participação das lendas mundiais de surfe Wayne Rabbit Bartholomeu e Shane Horan, e foi organizado pela 8ª Reserva Mundial de Surfe - Gold Coast, em parceria com a Save The Waves Coalition (STW), Surfrider Foundation Internacional, Wild Coast e Surfers Against Sewage. 

“Nossa participação foi a convite da Save The Waves Coalition, o que permitiu levar a experiência e o planejamento estratégico do Comitê Gestor da Guarda, bem como apresentar os resultados dos projetos mais importantes até o momento, como a pesquisa Surfonomics, que estimou a presença na Guarda do Embaú de cerca de 3.856 surfistas durante o ano de 2018, deixando na localidade 61 dólares por pessoa por dia, contribuindo com 4,2 milhões de dólares ao ano; o relatório anual da análise dos coliformes fecais realizada em nove pontos do Rio da Madre em 2019, que continuará a partir de 2020, agora em 13 pontos e com a inclusão da análise de produtos químicos; e a busca, através de oficinas, de um modelo ideal de tratamento de esgoto para a Guarda do Embaú”, explica Kito. “Apesar de ser ainda recente, o nosso modelo de gerenciamento da RMS Guarda já está servindo de exemplo e também está inspirando a criação do Programa Nacional no Brasil, programa este que só existe na Austrália, mas que também precisa ser oxigenado”, acrescenta.

A conexão direta na rede de Reservas Mundias de Surfe proporcionada pela Save The Waves nos dias da Conferência e na Cerimônia de Dedicação de Noosa ofereceu uma excelente oportunidade e interação com o mundo que busca a proteção da zona costeira, das ondas e do planeta. 

Cada RMS tem uma característica e um modelo de atuação para proteger seu espaço, portanto, são modelos diferentes de gerenciamento na busca do mesmo resultado. "A 6ª Conferência Global das Ondas trouxe especialistas do mundo que nos ofereceram subsídio importante para entender as mudanças climáticas atuais, que estão muito visíveis", argumenta Kito. "Importante salientar que todo este processo de proteção da zona costeira baseada em Reservas de Surfe está sendo alavancado pelos surfistas, o que, de certa forma, quebra um paradigma de que a nossa tribo é alienada", destaca.

Como disse Wayne "Rabbit" Bartholomew, tres vezes campeão do mundo (PRO 1978/Master 1999 e Gran Master 2003), na sua entusiasmada participação no evento: “Pensar que o surfista iria protagonizar esta mudança seria uma utopia 30 anos atrás". "Ele, com certeza, tem razão", finaliza Kito.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • Banner-310x260.gif