f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

IFSC e Bombeiros fazem parceria

Ideia é oferecer atendimento especial com o auxílio de um cão

006e0666dcd24da945bd065c5568eddb.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

Uma parceria firmada entre o campus do IFSC Palhoça Bilíngue e o Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina visa promover a oferta de atendimento educacional especializado para estudantes com deficiência. A atividade é uma proposta do Laboratório de Tecnologia Assistiva (Labta) do IFSC, e tem como objetivo potencializar as habilidades cognitivas, motoras e sensoriais, aprimorando conhecimentos formais e de vida cotidiana dos alunos, com a colaboração de um bombeiro e do seu cão. 

O trabalho está previsto para iniciar em agosto e deve durar o semestre inteiro. A princípio, começa com um aluno do campus selecionado a partir das necessidades que ele apresentou durante os atendimentos recebidos no Labta desde 2018. Os encontros entre o estudante, o cão, o bombeiro e a equipe do laboratório serão realizados uma vez por semana, contemplando atividades que permitam interação entre os envolvidos e o uso de recursos de tecnologia assistiva, como jogos, brinquedos acessíveis, acionadores, etc.

A ideia do projeto surgiu durante um atendimento realizado a um aluno com paralisia cerebral. “Ele sonhava em ser policial militar e trabalhar com os cães”, contou a professora de Educação Especial e responsável pelo espaço, Ivani Cristina Voos. O sonho do estudante inspirou a professora a buscar a parceria. “Os estudos sobre as atividades mediadas por cães têm indicado que as pessoas com deficiência, em diferentes idades, têm alcançado o desenvolvimento de várias habilidades, como a diminuição de comportamentos agressivos e impulsivos, a melhoria da concentração e da memória, por exemplo”, explica Ivani.

A iniciativa foi lançada no campus na última quarta-feira (24), durante a programação de planejamento das atividades do semestre, com uma apresentação realizada pelo capitão Alan Cielusinsky, que na companhia do seu cão, um amigável labrador de 10 anos que atende pelo nome de Tchak, mostrou aos servidores, técnicos administrativos e docentes o trabalho desenvolvido na Coordenadoria do Serviço de Busca, Resgate e Salvamento com Cães do Corpo Bombeiros Militar de Santa Catarina. 

Alan falou sobre a origem da atividade em Santa Catarina, das técnicas próprias de condicionamento e treinamento para busca; e das atuações em alguns desastres ocorridos no país, como no Morro do Baú, no Vale do Itajaí (2008), em Mariana (2015) e em Brumadinho (2019). Segundo o capitão, os cães são habilitados para ocorrências de busca em várias situações (no mato, na lama, nos escombros, na água) e alguns são utilizados em atividades de intervenção assistidas por cães, com fins terapêuticos e pedagógicos, em ambientes hospitalares, nas Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes) e nas escolas. Todo o trabalho é feito com animais da raça labrador. “São cães fáceis de trabalhar, dóceis e todo mundo gosta”, complementa o bombeiro. 

O IFSC Palhoça Bilíngue é a primeira instituição de ensino na região da Grande Florianópolis com a qual o Corpo de Bombeiros firmou parceria para um trabalho dessa natureza. Mas o capitão comentou que, em breve, mais um cão será certificado, em São José, por isso, há perspectivas de ampliação da atividade. Em sua explanação, Cielusinsky explicou que somente os cães aprovados em prova de certificação podem ser aplicados em ocorrências reais.



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO
Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg