f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Jornal Palhocense entrevista Jean Negão

Eleito em 2016 como vereador, Jean Negão explica por que escolheu deixar o Legislativo para disputar a Prefeitura. Em entrevista, ele não poupa críticas ao que chama de crescimento desordenado

eb940e7cd57911b5f7de2d0407f0b18d.jpeg Foto: Divulgação

Jornal Palavra Palhocense - Quem é o Jean Negão?
Jean Negão - Nasci em Londrina, no Paraná, tenho 49 anos, sou casado com a professora Mirtis Feldhaus e tenho uma filha biológica e uma de coração. Sou advogado, formado em Gestão Pública e empresário da atividade de hortifruti. Vereador eleito em 2016, defendo políticas voltadas para o liberalismo econômico, preservação da família tradicional e da cultura local, me declarando um constitucionalista cumpridor da lei.

JPP - Fale um pouco de sua identidade com Palhoça!
Jean - Cheguei em Palhoça no ano 1990, em busca de oportunidade. Com pouco estudo e sem conhecer ninguém, consegui abrigo com minha barraca na casa da família do Edgar Scheidt. Ali conheci muitas pessoas e encontrei a oportunidade necessária para mudar a vida. Estudei, me tornei advogado, criei a Feijoada do Jean Negão, casei, fui pai, virei empresário. Vi Palhoça crescer, me apaixonei pela cidade. Sou parte da história de Palhoça.

JPP - Quando e quem te incentivou a participar da política?
Jean - Ingressei na política de Palhoça em 1992, na eleição do prefeito Ronério Heiderscheidt. Em 2016, resolvi disputar a eleição pela primeira vez e fui o quinto vereador mais votado, com 2.002 votos. Não houve especificamente um incentivador. Essa minha paixão que tenho por Palhoça é que me deu o impulso para ingressar na política.

JPP - Como você avalia o atual momento político de Palhoça?
Jean - Ruim. A política deve se preocupar em promover qualidade de vida. Vejo que não possuímos ações que possam verdadeiramente mudar o cenário. Uma cidade que tem crianças acompanhando seus pais na rua tarde da noite para juntar "lixo" para vender não pode estar no caminho certo. Gestão não é só calçar ruas com dinheiro emprestado com juros caros. É preciso primeiro pensar nas pessoas.

JPP - De que forma você vê o papel do vereador dentro da gestão pública?
Jean - Crítica. O vereador tem papel importante no controle das ações e fiscalização dos atos do Executivo. O prefeito engoliu o poder Legislativo, tornando-o dependente da máquina. Isso é ruim para a cidade e para a democracia. Outra questão que precisa melhorar é a qualidade de conhecimento dos vereadores. Tudo que se faz na Câmara irá repercutir na vida das pessoas da cidade.

JPP - O que você conseguiu realizar como vereador? Alguma frustração?
Jean - Elenquei algumas prioridades. Na região Sul de Palhoça, conseguimos, juntamente com a Fatma, alterar a lei do zoneamento estadual - que impedia o uso da propriedade naquela região. Precisamos melhorar a segurança jurídica no Sul para acabar com a farra do ajustamento de conduta e as multas ambientais. Só não está resolvido o problema do Sul porque o prefeito Camilo está amarrando a indicação dos representantes palhocenses no conselho. Elaborei lei que permitia o município auxiliar os protetores de animais nas atividades de proteção dos animais de rua, todavia a lei foi vetada pelo prefeito Camilo; lutei pelos músicos e pela cultura da cidade; criei a lei que acaba com a farra da publicidade na Prefeitura, mas ainda não foi promulgada; fiscalizei as ações da educação e a qualidade das escolas disponíveis aos alunos. Enfim... Minha maior frustação é ver que o prefeito Camilo não possui comprometimento com as ações propostas pelos vereadores e com o povo.

JPP - Como foi a decisão de deixar o Legislativo e buscar uma eleição para prefeito de Palhoça?
Jean - Simples. Entendo que o vereador não deva ter direito à reeleição. Um mandato é suficiente. Quando entrei, em 2016, já havia afirmado que ficaria apenas um mandato. Disputar o comando da Prefeitura faz parte de um processo de gratidão que tenho para com o povo de Palhoça. Conquistei dignidade nessa cidade e condições para dar conforto para minha filha. O povo de Palhoça tem esse direito e queremos ajudá-lo a conquistar.
 
JPP - Suas considerações finais.
Jean - Todos devemos trabalhar para melhorar a qualidade do lugar onde vivemos. Palhoça vive momento que reclama a necessidade de se utilizar a técnica e o conhecimento para evitar que ela se transforme num lugar de baixa qualidade de vida. Congestionamentos diários, falta de segurança, problemas na saúde e educação representam as consequências negativas de gestão sem rumo e de crescimento populacional sem controle. Precisamos mudar essa realidade urgente. 

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg