cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

31912c67f113f2bc58ba76fe5f16f0c1.jpeg Por meio do Governo do Estado, Epagri Ciram realiza ações de apoio à pesca

05869665556f62f815b6c2a9f54623e6.jpeg Professores e alunos da Ponte do Imaruim reclamam de horários do transporte coletivo

2a46e516208184553913a41ae23578e0.jpeg Através de campanha solidária, evento de Dia das Crianças deve ocorrer no São Sebastião

124a5fd64c0300628c002b6987790ece.jpeg Acusado de matar pelo menos 15 pessoas é preso na Ponte do Imaruim

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


Moradores de ocupação urbana temem despejo

Comunidade Mestre Moa, localizada nos limites entre o Caminho Novo e o Bela Vista, tem 37 famílias

001b6ec052ed4b6eecc5047ee5ca15d6.jpeg Foto: DIVULGAÇÃO

Por: Willian Schütz*

Moradores da comunidade de ocupação urbana Mestre Moa realizaram, no final da tarde da última sexta-feira (16), uma manifestação em frente à Prefeitura. Com cartazes e vozes pedindo incentivo à moradia popular, o ato clamava para que as pessoas que vivem naquela comunidade continuem ocupando aquelas terras. 

Parte da motivação para a manifestação é uma recente decisão judicial, no Fórum de Palhoça, que prevê a reintegração de posse ao proprietário do terreno onde a comunidade está instalada, entre o Caminho Novo e o Bela Vista.

A pequena comunidade formou-se em um grande terreno, que começou a ser ocupado em 2016 por pessoas que, conforme relatos dos presentes na manifestação, já habitavam as proximidades e conheciam a área, mas que saíram das casas dos familiares e não tinham plenas condições de arcar com custos de aluguel e outras despesas. Ou seja, estavam em situação de vulnerabilidade. 

Atualmente, são cerca de 37 famílias que vivem na localidade. “Essas famílias estão bastante aflitas e preocupadas, sem comer e sem dormir direito, indo trabalhar com a cabeça com a consciência pesada”, relata um dos manifestantes, simpático à causa.

O ato realizado na última sexta-feira durou cerca de duas horas e cerca de 50 pessoas estiveram presentes. Contudo, as autoridades políticas do município não foram diretamente comunicadas. Isso porque a grande área ocupada é uma propriedade privada, que pertence legalmente a uma pessoa física, e a decisão cabe à Justiça.  


Reintegração de posse 

Sobre as questões jurídicas, a equipe de reportagem do jornal Palavra Palhocense conseguiu informações sobre o proprietário do terreno em questão. Trata-se de um senhor que é dono de diversas áreas na Grande Florianópolis. Ciente da ocupação em seu terreno em Palhoça, ele entrou com um pedido de reintegração de posse, que foi acatado por um juiz do Fórum local.

De acordo com uma das advogadas que estão acompanhando o caso, os trâmites para o processo de reintegração iniciaram no fim de 2019. Mas, com a chegada da pandemia, no início de 2020, a movimentação judicial permaneceu estagnada por mais de um ano.   

Em consequência disso, os representantes da ocupação Mestre Moa foram procurados por um oficial de Justiça, que comunicou a situação. Com isso, os membros da comunidade, agora réus, buscaram apoio de advogadas e da Defensoria Pública. E conseguiram.

O processo ainda está tramitando em primeira instância, e após recurso dos réus, uma nova apuração está sendo feita. 

De qualquer forma, mesmo que o processo tenha prosseguimento, dificilmente os moradores terão que deixar suas casas neste ano. Isso porque o ministro Luiz Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), assinou, no dia 3 de junho, a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 828, em que determinou liminarmente a suspensão, por seis meses, de ordens ou medidas de desocupação de áreas que já estavam habitadas antes de 20 de março do ano passado, quando começou a vigência do estado de calamidade pública no país, em virtude da pandemia de Covid-19. 

Outro fator importante no processo: neste mês de julho, foi solicitado que um trabalho de perícia seja feito no local. Isso porque, antes de qualquer decisão, é preciso que sejam levantadas informações sólidas e definitivas sobre o local onde estão instaladas as cerca de 37 casas da comunidade de ocupação urbana Mestre Moa. 

* Sob a supervisão de Alexandre Bonfim

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg