f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Oftalmologia: combate ao exercício ilegal avança

Palhoça é uma das cidades onde há investigação

ebb44cfb2850314c2660386900daaa3e.jpg Foto: PIXABAY/DIVULGAÇÃO

O volume de denúncias de profissionais não médicos atuando com oferta de consultas oftalmológicas, prescrição de receitas e até mesmo venda casada de produtos e serviços tem crescido em Santa Catarina nos últimos meses, gerando medidas judiciais encaminhadas às autoridades médicas e legais do estado.  

Entre agosto e dezembro de 2020, foram encaminhadas 26 denúncias ao Ministério Público de Santa Catarina, três recursos ao Conselho Superior do Ministério Público de Santa Catarina, uma denúncia ao Procon e sete novas medidas judiciais, segundo a assessoria jurídica da Associação Catarinense de Oftalmologia.

Como base dessas ações, está a decisão publicada em agosto de 2020, pelo Supremo Tribunal Federal, que manteve a determinação de que profissionais não médicos estão impedidos de realizar exames, consultas e prescrever medicamentos à população, conforme previsto nos Decretos Presidenciais 20.931/32 e 24.492/34. A partir desse entendimento, diversas entidades representativas da categoria, em outros estados brasileiros, também estão fiscalizando eventuais irregularidades e encaminhando denúncias aos órgãos competentes. 

Muitos desses casos de irregularidade - como consultas com optometristas e "promoções" de consulta vinculada à confecção de lentes (o que é vedado por lei) - são divulgados por redes sociais e no comércio. A Associação Catarinense de Oftalmologia se reuniu com a diretoria do Procon estadual, secretários de Saúde dos municípios de Ouro, Zortéa e Capinzal, além de reuniões com o Procon de Içara e com os delegados de Polícia Civil de Lages e Chapecó.

Também estão sendo monitoradas sete investigações policiais contra optometristas e óticas, nas cidades de Palhoça, Lages, Itajaí, Apiúna, São Bento do Sul e Laguna. 

Ao todo, a Associação Catarinense de Oftalmologia, por meio da assessoria jurídica, está monitorando um total de 91 denúncias realizadas às Promotorias de Justiça do Ministério Público de Santa Catarina, em todo o estado (66 nas regiões da Grande Florianópolis, Serra, Norte e Vale/Alto Vale; e 25 no Litoral, Sul, Meio Oeste e Oeste). 

Recentemente, a Associação Catarinense de Oftalmologia produziu e distribuiu uma cartilha informativa sobre mitos e verdades da saúde da visão, o papel de oftalmologistas, optometristas e ópticos, sintomas e tratamentos das principais doenças, entre outras informações de relevância para a população e também para órgãos públicos.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg