f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Palhoça tem candidata ao governo do estado

Ingrid Assis, do PSTU, moradora do Bela Vista, é única mulher no páreo

c57d451cb774fb4caca4158b041c4674.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

A única mulher candidata ao governo do estado de Santa Catarina nesta eleição, Ingrid Assis, do PSTU, é moradora do bairro Bela Vista, em Palhoça, e tem como vice, em sua chapa, Ederson da Silva, de 36 anos, professor da rede pública, dirigente sindical e militante do movimento negro de Criciúma.

Além de única candidata mulher, a palhocense Ingrid Assis é a primeira candidata indígena ao governo de Santa Catarina. Ela é da etnia Sateré-Mawé, é professora da rede estadual e dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Santa Catarina (Sinte-SJ). Ingrid tem 30 anos e é mãe de um casal.  

Como base de campanha, levanta a bandeira de apoio às lutas dos trabalhadores, das mulheres, dos negros e negras, LGBTs, indígenas, imigrantes e dos moradores das periferias contra toda as formas de opressão e exploração. “Nossas candidaturas denunciam a farsa das eleições como um jogo de cartas marcadas distribuídas pelos ricos e poderosos, e fazem um chamado à rebelião ‘dos de baixo’ para derrotar ‘os de cima’”, explica.

Ela diz ainda, que o PSTU defende um governo dos trabalhadores, formado por conselhos populares nos bairros e locais de trabalho. E faz um chamado à rebelião popular, única maneira, segundo o PSTU, de acabar com o sistema capitalista e derrubar "esses governos que defendem os interesses dos ricos e poderosos e construir uma sociedade socialista".

 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg