20dc4e7729d5869a8457d2f03bf245f5.jpeg Homem procurado por receptação e com histórico de 143 passagens pela polícia é preso em Palhoça

0ae94ba50602cc9ec46637d50c22ef80.jpg SC lança novo vacinômetro para dar mais transparência na apresentação dos dados

1f9714a46627fa74d71b519e6c54b71e.jpeg Hélio Costa se compromete com demandas de agentes de segurança universitária federal

cfed241412d941950a5e15aa0ad0314e.jpeg Polícia Rodoviária Federal divulga balanço da Operação Nossa Senhora Aparecida

3722eb63d7e4752d367e3dba472592fe.jpeg Banda Soul Cream lança EP de estreia nesta sexta-feira (15)

a09be49357169b0e544a4196beee38ee.jpg Músico Paulo Valério, o “Pevê”, anuncia lançamento do terceiro disco

8ecba6308f36f894407ae4a11b018071.jpeg Rapper palhocense William Luis lança single nesta sexta-feira (8)

eedf3fe739adf982a85ed9a85aad67d6.jpg Musicalidade de Zé Ramalho no Curta o Som do Shopping ViaCatarina nesta sexta

4591eb7458e13b72850d0266561322bb.jpeg Jovens atletas representam Palhoça em competições estaduais

b1389c69ecc88f51f017f24a6510b6da.jpeg Judoca criado dentro do programa Palhoça Esportiva é campeão estudantil

678354f0c4a3c4a0a66e5acc0f97f463.PNG PBec Brasil vence primeira partida oficial como clube profissional

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX


Professora da FMP lança livro sobre literatura

"O que eu almejo é construir leitores críticos", diz Débora Ouriques, autora de “Literatura e Experiência em Sartre e Merleau-Ponty”

22ebebb6c33bb2bdaf68c84aceef6c68.JPG Foto: NORBERTO MACHADO

Exatos 10 anos depois de entregar sua dissertação de mestrado, Débora Regina Ouriques, professora da Faculdade Municipal de Palhoça (FMP), resolveu revisitar a obra. A releitura provocou inquietação. Da inquietação, brotou a vontade de adaptar o texto para uma versão impressa. A adaptação acaba de sair do forno: “Literatura e Experiência em Sartre e Merleau-Ponty”, com 140 páginas, foi impresso pela Conceito Editorial.

“Esta obra foi um desafio. Dei um tempo para publicar, e quando fez exatos 10 anos da minha dissertação, eu resolvi adaptar para fazer a edição impressa”, relata a professora. Débora é formada em Letras (Francês e Português) pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde atualmente cursa o doutorado em Literatura. A mesma área que abordou no mestrado, também realizado na UFSC. Na dissertação, Débora analisa textos dos filósofos franceses Jean-Paul Sartre (“Que é a Literatura?”) e Maurice Merleau-Ponty (“A Prosa do Mundo”) que abordam o tema “literatura”. A obra é dividida em três partes: a teoria de Sartre, a teoria de Merleau-Ponty e a crítica.

O livro apresenta as noções de linguagem, de consciência, de liberdade e do engajamento da literatura, ressaltadas e discutidas à luz da filosofia sartreana. “A escolha pelos autores é por uma coisa muito louca, porque o Sartre, em particular, tem muito a ver com a minha identidade no papel de escritor engajado. Gosto de trabalhar com esta temática, então é um autor com quem eu me identifico muito”, conta a professora, que estuda as duas obras para fazer uma comparação de conceitos do que é “escrever”, do que é “ler”, do que é “engajamento”.

Ponty dizia que nem todo escritor precisa se engajar, que o livro tem vida própria, e quando a obra é finalizada, não pertence mais ao autor; é de livre domínio do mundo, entregue ao prazer do leitor. Sartre dizia que o escritor e o leitor têm que ter um compromisso com a obra; o leitor é livre para fazer o que quiser, mas quando opta por ler o texto, precisa se comprometer com esta escolha; para ele, escrever é um exercício de liberdade e o leitor vai dar a interpretação e desenvolver a crítica; o escritor convida o leitor a se engajar. “Se tu me perguntar o que eu penso, posso dizer que, pelo momento atual que a gente está vivendo, é muito difícil tu não te envolver, tu não te posicionar. Defendo que a gente não pode ter a crítica pela crítica: se tu estás disposto a entrar numa leitura, tu tens que te comprometer a isso, dependendo do papel social. Mas quem garante que a interpretação vai ser a mesma que a minha? O que eu quero com isso é que as pessoas leiam e reflitam”, argumenta a professora.

Débora avisa que está se posicionando como uma escritora engajada e justifica a decisão de publicar a dissertação neste momento em função dos rumos que tomou na carreira, com intenso envolvimento com a questão dos imigrantes no Brasil. “Não sou de levantar bandeira, rasgar sutiã, não, nada disso. O que eu almejo é construir leitores críticos”, destaca.

As últimas sentenças do livro destacam bem esse posicionamento: “Não há primado entre leitor e escritor. O texto é um universo, independente, único. Cabe ao escritor e o leitor optar ou não ser envolvido por ele, e a partir dele defrontarem com suas emoções, com suas experiências e interrogações, continuamente, em cada nova leitura”.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg