f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Reclamações de aglomeração na Guarda do Cubatão

Denúncia revela que já houve até briga entre moradores

f8d2972142e2359ac9ff9c831de4a117.jpg Foto: REPRODUÇÃO

Os protocolos sanitários exigidos pelo Poder Público e pelas autoridades de saúde não estariam sendo seguidos na servidão Raul João dos Santos, na Guarda do Cubatão. Aglomerações são diárias, promovidas sobretudo por jovens da vizinhança. É o que relatam denúncias feitas à Polícia Militar e à Prefeitura.

De acordo com um morador, que prefere não ser identificado, cerca de seis a 15 crianças e adolescentes se juntam diariamente na servidão. Nos piores panoramas, o número sobe para 20 jovens, que passam o dia conversando, brincando e até mesmo se abraçando - tudo isso, sem utilizar máscaras. “Pelo menos oito são moradores da rua, o que significa que há uma quantidade significativa de pessoas vindas de outros lugares, como os condomínios do bairro”, explica o munícipe, que lembra que há residentes se esforçando para seguir a quarentena em casa: “Essas aglomerações, como sabido, trazem riscos sanitários”. Desde o início da pandemia, a Covid-19 já matou 49 pessoas em Palhoça.

A situação se arrasta há tanto tempo, que foi instaurada uma espécie de rixa entre pessoas contrárias às aglomerações e aquelas que desconsideram as medidas preventivas. O ápice foi no domingo de 19 de agosto, quando vizinhos incomodados decidiram ir à rua pedir para que os jovens diminuíssem o barulho e se deslocassem, “de forma a diminuir o desconforto e riscos causados pela aglomeração”. A solicitação acabou em briga e, mesmo assim, o problema não cessou.

Como jovens são importantes vetores da Covid-19, essas reuniões se configuram como um problema ainda mais preocupante. É o que prova um estudo publicado neste mês por pesquisadores do Hospital Geral de Massachusetts, que integra a Escola Médica de Harvard, nos Estados Unidos: crianças infectadas pelo novo coronavírus teriam alta carga viral e, por isso, podem ser grandes transmissores da doença.

Faz quatro meses que os moradores buscam resolver o problema através dos canais oficiais, como o 190, o aplicativo PMSC Cidadão e a Ouvidoria da Prefeitura. “Nenhuma dessas tentativas têm surtido efeito necessário. Referente ao 190, às vezes a chegada da viatura demora mais de quatro horas, principalmente nos fins de semana e feriados. Às vezes, nem vêm”, conta. 

O popular relata que, nas ocasiões em que a viatura chega em tempo hábil, o grupo se dispersa, burlando a ação dos policiais, e assim que a Polícia Militar dá as costas, os jovens voltam a se juntar. A PM esclarece que passou a ter equipes especializadas em atender ocorrências de aglomeração de pessoas e pertubação de sossego. No entanto, segue afirmando que, com a demanda crescente, é impossível atender a todos os chamados. “Houve momentos em que tivemos 50 ocorrências ao mesmo tempo”, informa o major Marcello Wagner, subcomandante do 16º Batalhão. Ele destaca que há casos, sobretudo nos finais de semana, de festas com público superior a 100 pessoas, “que necessariamente exigem a presença de mais policiais”.

Para a Prefeitura, a fiscalização faz o possível, mas não consegue estar presente em todos os lugares. O município esclarece, no entanto, que os cidadãos podem ser multados - tanto pela PM, como pela equipe de fiscalização da Prefeitura - quando flagrados em situação de aglomeração. Lembra, ainda, que o não cumprimento do decreto pode ser considerado crime contra a saúde pública.
 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?
Clique no link de acesso!
 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg