f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Encontos&Desencrônicas - Edição 642

Essência Rara

 
Alma cintilante...
Toque vibrante...
Espírito evolutivo...
Ser humano legítimo...
Características do divino...
Sensibilidades aos escolhidos...
Positividade na presença, essência...
Olhar atento e fala mansa que acalanta...
Empatia que implica, sintoniza nas pessoas...
Abraçar com pequenos gestos... De mãos dadas...
Enxergar além do visual, ser diferente do “habitual”...
Praticar todos os dias o bem... Transformação “gradual”...
O que modifica um dia dito “normal” é fazer o visto anormal...
Desejar já é o primeiro passo, então tente realizar este em atos...
Paz na terra, luz para todas as esferas, manifestações aos evoluídos...
Espiritualidade que alimenta a mente e prepara o supremo para o além...
Essa é uma mensagem para inenarráveis interpretações, contrária de aquém.
 
Andreza Truppel Amaral dos Santos
Professora e Pedagoga


__________________________________________________________


Remoendo Fantasmas

 

Meu cérebro me atormenta

Dor lenta
De todo dia
Que me agonia
Que me tira do sério

Penso impropérios
Nem sei o que pensar

O verbo arde
Em tom errático
Desesperado devaneio
Sem arreios
Que me tira do ar

A noite me leva embora
O dia me traz de volta

A desesperança me adormece
Até que a luz sopra
E o fim do túnel vira caminho
Onde leva? Onde leva?
Onde fica? Onde fica?
Fico eu, sozinho
A remoer fantasmas.

Luke Neto
Jornalista


______________________________________________________________

 

Doutrina Monroe - Aulinha
Sertão da Enseada de Brito, 5 de maio de 2018

Por volta de 1820 (200 anos atrás) era presidente dos Estados Unidos um homem chamado Monroe. Nessa altura, estava-se a fazer-se as diversas independências da América, a maioria das quais tinha sido feita através de sangrentas guerras (a primeira foi a do próprio Estados Unidos, em 1783, que teve que fazer guerra com a Inglaterra; a segunda foi a do Haiti, em 1804, que teve que fazer guerra com a França). Nós, brasileiros, fizemos a nossa independência em 1822 (lembram do 7 de setembro, feriado até hoje?) e não houve guerra, mas tivemos que pagar uma altíssima indenização para Portugal – pagamos durante 150 anos, até o ano de 1972.

Assim, quando esse Monroe disse que a América era para os americanos, foi um aplauso só! O que primeiro se entendeu é que a América era para nós, americanos, sem mais prestar contas aos colonizadores europeus, que eram os que mandavam aqui até então.

É isto que quer dizer a Doutrina Monroe: “A América para os americanos”.

(Nunca devemos esquecer que a América é muito grande, e que inclusive nós, no Brasil, somos americanos. Assim como todo o resto do continente, como Argentina, Peru, Honduras, México, etc. Aqueles que se auto intitulam americanos, na verdade, são os estadunidenses. Não é certo chama-los nem de americanos nem de norte-americanos – na América do Norte há 3 países: o Canadá, os Estados Unidos e o México). 

Então o Monroe disse isso e ficaram todos felizes, até começarem a entender que não era bem assim. O que ele quisera dizer é que os Estados Unidos era a sala de visitas da América, e os demais países eram seu quintal, o lugar onde eles poderiam obter cada vez mais lucros.

Até hoje a Doutrina Monroe está valendo. A cada vez que o Brasil cresce um pouquinho, que a sua população deixa de ser tão pobre, os Estados Unidos organizam um golpe de estado e nos roubam os nossos direitos e a nossa economia, para que ELES fiquem cada vez mais ricos. É o que está acontecendo neste momento, e funciona porque os ricos do nosso país não querem perder suas regalias e apoiam os golpes, mas já aconteceu outras vezes, como no governo de Getúlio Vargas e João Goulart. Os governos Lula e Dilma foram governos chamados progressistas (não confundir com comunistas ou socialistas) e porque o povo passou a viver um pouco melhor (bolsa família, créditos, minha casa minha vida, universidades em abundância, salário mínimo de cerca de 350 dólares – vale lembrar que em 1988 o nosso salário mínimo valia cerca de 20 dólares, o que daria agora mais ou menos 60 reais por mês), esse pouquinho a mais que o povo passou a ter já ouriçou de novo a Doutrina Monroe, que queria aquele pouquinho de cada um para os Estados Unidos ficarem cada vez mais ricos. Daí o golpe que vivemos.

 

Urda Alice Klueger
Escritora, historiadora e doutora em Geografia



Publicado em 07/06/2018 - por Palhocense

btn_google.png btn_twitter.png btn_facebook.png








Autor deste artigo


Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg