Ciclone: Palhoça decreta emergência

Relatório da Defesa Civil informa que 16 escolas municipais e 65 residências foram destelhadas ou tiveram as coberturas arrancadas pelo vento

b42f2289c76557d589fd8954710ae367.jpg Foto: DOUGLAS SILVEIRA

O prefeito Camilo Martins decretou “situação de emergência” em Palhoça em razão dos efeitos ocasionados pelo ciclone, que provocou danos na cidade nesta terça-feira (30) e quarta-feira (1). As equipes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros foram mobilizadas em quase 100 ocorrências. O Decreto 2.607, de 1º de julho, foi assinado após o recebimento do relatório de danos, realizado pela Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Compdec). 

No artigo 1º, o documento informa que “fica declarada a existência de situação anormal no município de Palhoça, decorrente do ciclone que assolou o estado de Santa Catarina (…), afetando a infraestrutura de diversos imóveis, particulares e públicos, caracterizando situação de emergência”. A situação de anormalidade declarada é válida “única e exclusivamente para atender as localidades comprovadamente afetadas pelo ciclone, em Palhoça”. 

Os primeiros danos, causados pelos ventos, que se aproximaram de 100km/h, predominantemente do quadrante Sul, foram registrados por volta das 16h de terça-feira (30). Em cada bairro, as histórias se multiplicavam: o desespero de quem estava em casa e acompanhou as telhas do imóvel se desprendendo, subjugadas pela força do vento, como a de uma senhora que mora na Jaqueira com o filho de 18 anos e precisou e abrigar na casa da mãe; o susto de quem trafegava pela rua de carro e testemunhou os fios da energia elétrica se partindo, como aconteceu com um morador da Barra do Aririú; a coragem da dona de um cachorrinho, que precisou sair até a parte aberta da cobertura onde mora e se jogar sobre o animalzinho, que já estava sendo carregado pelo vento, em um condomínio no Passa Vinte.

À noite, o ciclone deu uma trégua, diminuindo a intensidade das rajadas, voltando a castigar a cidade a partir da madrugada desta quarta-feira (1). Árvores caídas, motos derrubadas, vidros estilhaçados, placas destruídas fizeram parte do cenário de destruição na cidade, após a passagem do ciclone.

O relatório da Defesa Civil apresenta registros de quase 100 ocorrências diversas, causadas pelo vento. Cita que 16 colégios – o que corresponde a quase 50% dos estabelecimentos do Ensino Fundamental – sofreram destelhamento e quebra ou afundamento de forro, diretamente pela ação do vento ou em consequência de queda de árvores.

Até o início da tarde desta quarta, a Defesa Civil contabilizava 65 casas destelhadas pelo vendaval ou apresentando outros danos decorrentes do tombamento de árvores. 

Equipes da Defesa Civil, bombeiros militares e civis estão ocupados desde a tarde de terça-feira, cortando e removendo entulhos de árvores de ruas, sobre a fiação de energia elétrica e das propriedades particulares atingidas. A Defesa Civil recrutou até agentes de trânsito do município para auxiliar nesse trabalho, que também inclui a remoção de estruturas metálicas de placas de publicidade, que atingiram a fiação e dificultam o trânsito. 

No relatório encaminhado ao prefeito Camilo Martins, o coordenador Municipal de Proteção e Defesa Civil, Júlio Germano Marcelino, informa que a interrupção temporária do fornecimento de energia elétrica atingiu mais de 1.500 unidades consumidoras no município, afetando também serviços de telefonia e internet. Após a passagem deste “ciclone-bomba”, como foi chamado informalmente, a Celesc registrou o maior dano da história da rede elétrica estadual.

Em razão da situação de emergência declarada, ficam “as autoridades municipais e estaduais convocadas a dar toda e total atenção, bem como empregar os esforços para preservar a ordem e a vida, enquanto perdurar a situação de anormalidade”. 

O secretário de Segurança Pública, Alexandre de Sousa, informa que a Prefeitura vai disponibilizar telhas e lonas para as famílias que tiveram suas propriedades danificadas. E a Secretaria de Educação já iniciou o processo de recuperação das escolas atingidas.

 


Quer participar do grupo do Palhocense no WhatsApp?
Clique no link de acesso!
 



Galeria de fotos: 15 fotos
Créditos: DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA
Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg