2bcce634871ed1468e7351608bbebb70.jpg Vacinação em SC: Estado distribui doses nesta terça para vacinar adolescentes contra a Covid-19

df6918034d4114166d85ee70d1d48414.jpg Cerca de 4 mil beneficiados do SC Mais Renda ainda não buscaram seus cartões

24ad3550b5edf4882c4dd519fdf7be25.jpeg SC Transplantes registra recuperação em número de doações de órgãos

dbcd3da33f56f29f2f6a7dcf20c532df.jpg Palhoça é a primeira cidade de SC a concluir o programa Salto em 2021

cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


Força-tarefa fiscaliza comércios de ferro velho

Iniciativa da Polícia Civil reúne diferentes órgãos públicos. Ações serão frequentes

a0ae6b1247ac909045d1b6f9a9959ed6.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

Na quarta-feira (17), a Prefeitura realizou uma operação conjunta de fiscalização nos comércios de ferro velho da cidade. A ação foi coordenada pela Secretaria de Segurança Pública e teve a participação das polícias Civil e Militar, Instituto Geral de Perícias, Corpo de Bombeiros, agentes de trânsito, Fiscais de Tributos, Serviços Públicos e do Meio Ambiente, além da Vigilância Sanitária e Secretaria de Saúde. 

As inspeções foram realizadas nos bairros Caminho Novo, Madri, Alto Aririú, Aririú e Ponte do Imaruim. Ao todo, 21 estabelecimentos foram notificados e autuados.

Irregularidades como inexistência de alvarás de funcionamento e de sistemas de segurança contra incêndio foram registradas. Carcaças de veículos e peças foram flagradas expostas a céu aberto, representando risco à saúde pública pelo acúmulo de água e por servir de moradia para larvas do mosquito Aedes aegypti, responsável pela transmissão de dengue, zica, chinkungunya e febre amarela.

Além disso, houve embargo por armazenamento e recebimento de resíduos, que caracteriza crime ambiental, sem licença ou autorização para a atividade. Empresas de reciclagem também foram inspecionadas e notificadas.

Em um estabelecimento no Alto Aririú, um veículo furtado em outro estado foi localizado sem placas e com adulteração nas etiquetas de identificação e na numeração do chassi e dos vidros. "Foi uma iniciativa que a Polícia Civil teve. Nós fizemos um levantamento de ferros velhos. Muitos furtos ocorrem e há muita receptação desses produtos. Então, nós procuramos a Prefeitura e pedimos para que fosse feita uma força-tarefa, porque os ferros velhos também têm a questão de acúmulo de água, o problema da dengue; tem também a questão da licença da Prefeitura, porque a maioria está irregular. E nós fizemos também uma reunião com o Ministério Público. A dificuldade hoje é onde colocar esses objetos, porque tem que ser em uma área coberta", informa a delegada regional da Polícia Civil em Palhoça, Michele Alves Correa Rebelo.

A delegada informa que a participação da Polícia Civil durante a ação da força-tarefa teve foco na questão do crime de receptação; na fiscalização de notas fiscais de entrada e saída dos produtos que estão nesses ambientes. "Tem peças automotivas que têm número, e outras não têm. As que têm número, você consegue rastrear a origem, que tem que ser lícita. Há esses desmanches e esse mercado negro de venda de peças de veículos roubados e furtados, e nossa intenção é coibir isso, porque se não há receptação, de certa forma vai diminuir a incidência de furtos", analisa a delegada. Michele Rebelo lembra, ainda, que em cidades como Florianópolis e São José, o número de ferros velhos licenciados para operar é reduzido, por conta das exigências legais, e Palhoça também precisaria restringir essa atuação, porque as autoridades têm percebido uma proliferação de empresas atuando nesse ramo no município, sem o devido controle. "Isso se torna um problema, porque eles não têm a devida organização na questão do armazenamento desses produtos, deixam a céu aberto, e a nossa preocupação é realmente com a questão criminal, da receptação", acrescenta.

A força-tarefa vai continuar atuando. "Essas operações serão contínuas, vai ser uma rotina, para que a gente possa exaurir todos os locais que existem em Palhoça. Os que se adequarem permanecerão atuando, e os que não se adequarem serão fechados", conclui a delegada.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg