Transporte público: retomada é tranquila em PH

Ocupação dos veículos têm ficado em torno de 30%

c84637e8c4444c58f253a4b39c91ed8a.jpg Foto: DOUGLAS SILVEIRA

Por: Sofia Mayer*

 

Após quase três meses de suspensão, o transporte coletivo municipal voltou a circular em Palhoça nesta segunda-feira (8). A retomada era esperada com ansiedade pelo setor, que estava parado desde 19 de março, e foi marcada por ônibus vazios, uso massivo de máscaras e álcool gel, além de fiscalizações da Prefeitura. Com municípios catarinenses ganhando autonomia para estabelecer as próprias regras de combate à Covid-19, no entanto, usuários têm reclamado de informações desordenadas a respeito dos itinerários e do que é permitido ou não dentro dos coletivos.

Em geral, os passageiros relatam que estão se sentindo seguros com as medidas sanitárias adotadas pela Jotur, empresa que realiza os serviços no município. É o caso de uma usuária da linha “Ponte do Imaruim-Guarda”, que precisou usar o ônibus na manhã de segunda (8). “Está bem tranquilo: poucos passageiros, todos de máscaras. Tinha álcool gel disponível no ônibus, janelas todas abertas”, atesta a munícipe, que, durante o período de paralisação, precisou usar aplicativos de carona, sempre pagos pela empresa onde trabalha.

A Jotur afirma que, nesta semana, os coletivos têm trafegado com apenas 30% da ocupação, quando, segundo o Decreto Municipal 2596/2020, o limite máximo é de 50%.  

Os primeiros dias de serviço também mostraram que muitos passageiros têm dúvidas em relação à possibilidade de pagamento em dinheiro. De acordo com decreto vigente, o acesso ao coletivo deve ser feito, preferencialmente, através de cartão. “Recebi uma orientação de evitar o dinheiro, mas pode, sim”, relata uma passageira. Como as aulas presenciais seguem suspensas, viagens com o passe eletrônico de estudante não estão permitidas. “A orientação das autoridades é de que utilizem os ônibus somente os que têm necessidade”, explica a Jotur. 

Há ainda quem considera a liberação precoce e não pretende utilizar o serviço tão cedo. “Vejo que o número de casos (de Covid-19) está cada vez aumentado mais e, infelizmente, a população está cada vez menos preocupada com a circulação de vírus”, expõe uma munícipe. Ela acredita que, antes de relaxar as medidas de contenção do novo coronavírus, era necessário um maior controle da doença em terras palhocenses. “Nem hospital Palhoça tem”, reclama. A Jotur, por outro lado, assegura que os funcionários e passageiros têm respeitado à risca as determinações de uso de máscaras, distanciamento social e higienização das mãos.


Dúvidas sobre horários e percursos

Alegando pouco esclarecimento da Jotur, uma usuária relata que teve problemas na integração para as cidades vizinhas, e que só soube que os veículos não estão parando na Estação Palhoça, terminal de integração da empresa, porque perguntou ao motorista. “O ônibus só ia até a Ponte do Imaruim, e de lá teria que pegar outro para São José. Até aí, tudo bem, só que, quando pegamos o outro ônibus, tivemos que pagar outra passagem, que foi o valor de uma (linha) Palhoça-Florianópolis“, revela. 

Alguns passageiros também contam que esperaram por veículos que passassem pela avenida Elza Luchi, na Ponte do Imaruim, local que concentra 14 pontos de ônibus. Com o terminal do município fechado, porém, os percursos estão sendo feitos pela Aniceto Zacchi.

A Jotur afirma que a Estação Palhoça voltará a funcionar apenas no dia 17 de junho, quando será feita a integração com Florianópolis, onde o transporte público ainda está suspenso. “Neste momento, estamos operando com urbano na forma de um circular, e a linha Palhoça indo até São José”, explica Ivo Ramos da Cruz, gestor da Jotur. 


Orientações para conter a Covid-19

A volta do transporte coletivo é polêmica, visto que a rotina dos ônibus desafia as regras do isolamento social. Para evitar a disseminação da Covid-19, a Jotur divulgou um documento com procedimentos sanitários destinados às equipes envolvidas cotidianamente nas atividades. Dentre as medidas, a publicação estabelece os métodos necessários para higienização da frota operante ao longo e após o serviço, boas práticas operacionais para as equipes embarcadas e controle de ocupação dos ônibus.

Visando à proteção dos funcionários, o manual ainda prevê que a equipe de limpeza interna utilize equipamentos de proteção individual (EPIs) específicos, com avental ou macacão impermeável, máscaras PFF1, luvas de borracha de punho longo, óculos de proteção contra respingos, e botas de borracha ou PVC. Com base nas normativas da Companhia Operadora de Terminais de Integração S/A (Cotisa), álcool gel 70% estará disponível no terminal, quando estiver em operação.

Medidas destinadas aos passageiros também foram elencadas pela Jotur. Segundo as orientações, o uso continuado de máscaras nos terminais e nos ônibus é obrigatório, bem como a higienização constante das mãos. A empresa afirma que os clientes devem respeitar o distanciamento social e todas as orientações das equipes do transporte coletivo. Em nota, a Jotur declarou que o usuário que for identificado com febre será impedido de utilizar os serviços de ônibus.

 


Fiscalização da Prefeitura

Uma ação conjunta, nesta terça-feira (9), entre Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica e Secretaria de Segurança Pública, buscou fiscalizar se as medidas de segurança no transporte público estão sendo seguidas, bem como orientar passageiros e profissionais no cumprimento das determinações do Decreto Municipal 2596/2020. O documento, assinado na última semana, apresenta regras de prevenção e combate do novo coronavírus no contexto de retorno do transporte coletivo.

Os fiscais vistoriaram veículos e paradas de ônibus, e constataram que a empresa responsável está cumprindo as determinações sanitárias relativas à higienização, capacidade máxima de 50% de ocupação dos veículos e ao uso de máscaras e álcool em gel.

O decreto municipal, assinado pelo prefeito Camilo Martins (PSD), considera que o funcionamento do transporte não deverá ser compreendido como medida contrária à recomendação de isolamento social, e nem deve ser um incentivo para seu relaxamento. A Prefeitura afirma que as medidas estabelecidas poderão ser reavaliadas, de acordo com a situação epidemiológica do município. O descumprimento do documento pode implicar na aplicação de penalidades sanitárias previstas na Lei Estadual 6.320/1983 e legislação municipal.

A Prefeitura ressalta que cabe aos passageiros reforçar os cuidados pessoais, como o uso obrigatório e continuado de máscaras de proteção de nariz e boca e higienização constante e obrigatória das mãos com água e sabão ou álcool em gel 70%, especialmente ao entrar e sair dos ônibus. Lembra, ainda, que é importante evitar tocar o rosto e a máscara, ou retirá-la antes de chegar em casa, assim como conversar durante viagens e filas de espera em pontos de ônibus ou estações.


Linhas em funcionamento

A circulação dos ônibus em Palhoça, a partir desta segunda-feira (8), fica restrita às linhas Aririú-Campinas; Ponte do Imaruim-Barra do Aririu (circular); Palhoça-Biguaçu; Ponte do Imaruim-Guarda (circular); Bela Vista-Ponte do Imaruim; São Sebastião-Ponte do Imaruim; Madri via Pagani-Ponte do Imaruim; Caminho Novo/Terra Nova-Ponte do Imaruim; Ponte do Imaruim-Jardim Eldorado (circular); Pinheira-Ponte do Imaruim e Enseada do Brito-Ponte do Imaruim. De segunda a sexta-feira, os ônibus operam em esquema de sábado; no sábado, no horário tradicional de domingo. Não haverá circulação de veículos aos domingos.


* Sob a supervisão de Luciano Smanioto

 


Quer participar do grupo do Palhocense no WhatsApp?
Clique no link de acesso!
 



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: DOUGLAS SILVEIRA DOUGLAS SILVEIRA
Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg