cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

31912c67f113f2bc58ba76fe5f16f0c1.jpeg Por meio do Governo do Estado, Epagri Ciram realiza ações de apoio à pesca

05869665556f62f815b6c2a9f54623e6.jpeg Professores e alunos da Ponte do Imaruim reclamam de horários do transporte coletivo

2a46e516208184553913a41ae23578e0.jpeg Através de campanha solidária, evento de Dia das Crianças deve ocorrer no São Sebastião

124a5fd64c0300628c002b6987790ece.jpeg Acusado de matar pelo menos 15 pessoas é preso na Ponte do Imaruim

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


Uma voz inaudível, mas com significado

Associação organiza ações para auxiliar na socialização dos sujeitos surdos com a comunidade

1bdf4ca53ca7c04870f0bfd13b3fab74.jpeg Foto: ISONYANE IRIS

Texto: Isonyane Iris

Começa neste sábado (22), às 13h, o primeiro curso básico de Libras e conversação oferecido pela Associação dos Surdos de Palhoça (Aspa). A data não poderia ser mais apropriada, já que na próxima quarta-feira (26) é celebrado o Dia Nacional do Surdo. Com foco na socialização do sujeito surdo com a comunidade, a entidade sem fins lucrativos promete atuar de forma a facilitar a rotina dos surdos de Palhoça, oferecendo auxílio de interpretação, atividades culturais, esportivas e também com o encaminhamento para o mercado de trabalho.

Iniciada no dia 14 de outubro de 2017, a associação foi criada com o objetivo de dar visibilidade aos surdos de Palhoça. “É muito importante para o surdo ter um local de referência, de acessibilidade. A associação tem a nossa cultura, além disso traz uma visibilidade ao surdo, pois aqui ele sabe que vai encontrar ajuda quando precisar. Estaremos sempre aqui para apoiá-lo”, explica o presidente, Bruno Queiroz.

A associação oferece ao surdo e seus familiares atendimentos resultados de algumas parcerias com psicólogo e intérprete (para acompanhar em locais que não tenha acessibilidade).

Secretária e intérprete da associação, Rosemary Ventura é mãe de um filho surdo, Maicon Muniz, que segundo ela é quem a inspira todos os dias a não desistir. “Por ter um filho surdo, sempre procurei fazer o melhor por ele, então, há quatro anos chegamos em Palhoça para que ele pudesse estudar no IFSC. Desde então, percebi a necessidade do município ter uma associação. Depois de inúmeras reuniões na minha casa, fundamos a Aspa. Conseguimos o local com o vereador Bala e isso foi muito importante para nós”, relembra Rosimary. “Disponibilizamos a sala e a quadra de esportes na Aerpi para que eles pudessem fazer suas atividades. Estamos ajudando da melhor maneira possível e nos colocamos sempre à disposição, afinal, é uma instituição que faz o bem e ajuda principalmente essas pessoas que sofrem com a surdez”, declara o vereador João Carlos Amândio (Bala, PSD).

Como intérprete da associação, Rosimary se dispõe a acompanhar os surdos com a interpretação em consultas médicas, no banco, no Detran, e até em entrevistas de emprego. “Por ter um filho surdo, sei bem das necessidades e das dificuldades que eles encontram, por isso aprendi Libras e hoje consigo ajudar essa comunidade que eu tanto admiro”, reflete. 

Nascido em Palhoça, André Luiz Conceição é vice-presidente da Aspa e explica que sempre sentiu falta de conversar com outros surdos e de ter um lugar para procurar quando precisar de ajuda. “Queremos dizer eu estou aqui, nos tornar visíveis. Sempre encontrei muita barreira por aqui, por exemplo, quando preciso ir à Prefeitura não consigo me comunicar e a associação serve exatamente para isso. Agora aqui temos alguém para nos acompanhar, ajudar quando preciso e ainda muitos amigos para conversar”, comemora André. “Faltava contato com o surdo, a gente não tinha para onde ir, uma referência. Eu queria encontrar surdos para conversar, fazer amigos e não tinha. Aqui a gente combina de se encontrar, tem futebol, tem churrasco, festa e a união, que é muito importante. Somos um grupo e a dificuldade é igual então um ajuda o outro”, desabafa André.

Desde pequeno, Willames Ferreira, técnico do time de futebol de surdos e diretor de Esportes da Aspa, conta que, por ser surdo, já gostava de ensinar futebol e principalmente de ir aos campeonatos porque havia muitos surdos de várias cidades. “Nós não tínhamos onde treinar aqui em Palhoça, por muito tempo treinamos na rua, onde hoje é a Avenida das Torres. Hoje, fizemos uma parceria com o Sesc, onde toda sexta-feira à noite treinamos e aos domingos à tarde na quadra da Aerpi, ambos na Ponte do Imaruim. Aos interessados em entrar no time, basta comparecer nos treinos que será muito bem-vindo”, convida Willames, que também é surdo.

Em comemoração ao primeiro ano da Aspa, um campeonato de futsal masculino será realizado no dia 27 de outubro, no Caranguejão. Para maiores informações, basta entrar em contato com a associação, que está localizada na rua Antônio Vieira, número 500, na Ponte do Imaruim (quadra coberta da Aerpi). Caso alguém queira colaborar com os trabalhos da associação, o telefone para contato é o 98834-9377 (WhatsApp).

 

Mudança

Palhoça já teve uma associação com o mesmo nome. Em março de 2016, a antiga Associação dos Surdos de Palhoça (Aspa) passou a integrar também a Associação dos Surdos de São José, mudando para Associação dos Surdos, Instrutores e Professores de Libras de Santa Catarina, deixando o nome Aspa à disposição. 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg