cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

31912c67f113f2bc58ba76fe5f16f0c1.jpeg Por meio do Governo do Estado, Epagri Ciram realiza ações de apoio à pesca

05869665556f62f815b6c2a9f54623e6.jpeg Professores e alunos da Ponte do Imaruim reclamam de horários do transporte coletivo

2a46e516208184553913a41ae23578e0.jpeg Através de campanha solidária, evento de Dia das Crianças deve ocorrer no São Sebastião

124a5fd64c0300628c002b6987790ece.jpeg Acusado de matar pelo menos 15 pessoas é preso na Ponte do Imaruim

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


A Palhoça de Caetano Silveira de Mattos

Confira o conteúdo da “certidão de nascimento” de Palhoça, expedida em 31 de julho de 1793

ff329df4b15cc75e47e29e5752292149.jpeg Foto: ACERVO JPP

A “certidão de nascimento” de Palhoça foi expedida em 31 de julho de 1793, quando o então governador João Alberto Miranda Ribeiro enviou o Ofício nº 7 ao Conde Rezende, vice-rei do Brasil. Era o primeiro registro oficial do povoamento que daria origem a Palhoça.

No ofício, narra o governador: “Não havendo, nesta ilha, muitos sujeitos, ou falando com toda ingenuidade, não havendo nenhum que exceda a Caetano Silveira de Mattos, no meu conceito, para os importantes fins a que o destino e de que já principiei a servir-me, julgo ser indispensável da minha obrigação pôr, na respeitável presença de V. Exa., o seu merecimento”.

Seguindo com o documento, João Alberto Miranda Ribeiro elogia Caetano: “Este homem é ativo e zeloso para o serviço, é muito trabalhador e bastantemente remediado, porque possui uns poucos de mil crusados: tem principiado um famoso estabelecimento no sertão, digo, no interior do sertão da Terra Firme, na estrada que vai para a vila de Lages, onde conserva bastante escravatura, e grandes derrubadas, para principiar as suas plantações”.

No trecho seguinte do ofício, o governador “batiza” a nova comunidade: “Agora mesmo se acha atualmente empregado na fatura de um armazém ou palhoça, que mandei construir nos matos da Terra Firme, para fazer um depósito de farinha, com que possa subsistir naquele lugar, caso me seja na precisão de me retirar a ele, depois de fazer na ilha toda a oposição que me for possível aos inimigos. Para aceitar desta comissão, não foi necessário mais do que perceber a minha vontade, e seguro a V. Exa. que o acho com disposição de remover qualquer dificuldade, empregando para as vencer, a sua pessoa ou seus escravos e tudo quanto tem”.

Depois, Ribeiro pede expressamente ao vice-rei que premie o vassalo “de tão excelente qualidade” com o posto de capitão do Forte de São Francisco Xavier da Praia de Fora, que àquela altura se encontrava “bastantemente arruinado” e precisava ser reedificado. Além disso, também sugere destinar a Caetano Silveira de Mattos a posição de capitão da Companhia da Infantaria Auxiliar da Freguesia de São José.

Além de fortalecer as defesas da ilha a partir do continente, Caetano também receberia a missão de promover a cultura portuguesa nas novas terras lusitanas. 

Em resumo, apesar de que a real intenção do ofício era solicitar uma patente militar para Caetano Silveira de Mattos, que, conforme mapas da época, possuía uma fazenda a oeste do local onde foi construído o entreposto comercial, este é o primeiro documento que se refere ao nosso território.

É evidente que, antes de Caetano, já havia construções rústicas erguidas por pescadores como abrigo ou depósito. Mas, construção permanente, com escravos e intenção de comércio, só o entreposto comercial. No entanto, conforme coloca Wilson Francisco de Farias em seu livro “Palhoça – Natureza, História e Cultura”, se o estabelecimento do entreposto comercial ocorreu, “tudo indica que fracassou, pois até meados do século XIX, não há qualquer referência ao arraial de Palhoça, mas tão somente às comunidades de entorno (Passa Vinte, Aririú, Barra do Aririú e Mirim)”.

Observe-se também que na relação de sesmarias doadas pelo governador da capitania no século XVIII, entre 1753 e 1800, no atual município de Palhoça, não consta o nome de Caetano Silveira de Mattos como benfeitor, o que pode significar que sua fazenda (e sesmaria) se localizava no atual município de São José.

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: ACERVO JPP ACERVO JPP
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg