f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Comerciantes: precaução contra notas falsas

Casos estão acontecendo desde o começo do ano e são investigados pela Polícia Federal

afb44c717c78909222fa37d43d355da5.jpg Foto: REPRODUÇÃO/INTERNET

Por: Sofia Mayer*

 

A circulação de notas falsas tem sido um problema recorrente em Palhoça, segundo comerciantes do município. Os relatos de fraudes começaram a aparecer ainda em janeiro, mas, de acordo com a classe, os casos se intensificaram na primeira quinzena de março, pouco antes do anúncio de fechamento das lojas, por conta do decreto estadual para minimizar o contágio do novo coronavírus na região. As investigações foram repassadas à Polícia Federal.

Depois de três tentativas de crime em um açougue, na área central do município, funcionários conseguiram identificar a van utilizada pelo grupo de estelionatários, e denunciaram o caso à Polícia Civil. Os comerciantes revelam que os criminosos agem de forma cordial, como se fossem clientes comuns. “Fazem a gente trabalhar para eles”, lembra um dos trabalhadores. Depois das ocorrências, o estabelecimento investiu em uma caneta identificadora para que as notas falsas possam ser verificadas “sem constranger outros clientes”. 

Considerando a quantidade de ocorrências registradas em Palhoça, outro comércio, também no Centro do município, começou a se precaver e adquiriu uma máquina, com detector UV, que identifica as notas adulteradas. “O aparelho é extremamente barato, não elimina sozinho todas as falsas. Mas é mais um recurso, junto ao tato, visão e observação dos pontos de segurança das cédulas”, contextualiza o proprietário. O estabelecimento foi alvo de tentativas de golpe duas vezes: a primeira aconteceu no dia de divulgação do decreto estadual que previa o fechamento do comércio catarinense. “Com todo mundo assustado, acabou passando”, admite. Na semana passada, em uma nova ocorrência, os funcionários se deram conta do estelionato antes de aceitar o dinheiro falso. 

A alta frequência dos crimes na região fez com que os funcionários do estabelecimento passassem a treinar a análise das notas. “Ainda não pegamos nenhuma falsa após isso (a compra da máquina), mas conseguimos comparar com a nota que pegamos há alguns dias”, afirma. O comerciante acredita que os criminosos agem em grupo, se revezando nas tentativas de golpe. Hoje, todo o dinheiro em espécie recebido é conferido de forma individual. 

Só neste ano, em Palhoça, pelo menos oitos ocorrências do tipo foram repassadas à Polícia Federal. Um inquérito policial foi instaurado e está em andamento para tratar dos casos. A pena para o crime de circulação de moeda falsa pode variar entre três e 12 anos de reclusão, além de multa aos agentes criminosos. 

Os casos de estelionatos têm sido verificados com constância em toda a Grande Florianópolis. Nesta semana, três homens foram presos e conduzidos à delegacia da Polícia Federal, na Capital, após realizarem compras em comércios de São José com notas de 100 reais adulteradas. À ocasião, ainda foram localizados R$ 1.569, em espécie, resgatados como troco nos golpes aplicados. 

 

* Sob a supervisão de Luciano Smanioto

 

Quer participar do grupo do Palhocense no WhatsApp?
Clique no link de acesso!



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg