cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

31912c67f113f2bc58ba76fe5f16f0c1.jpeg Por meio do Governo do Estado, Epagri Ciram realiza ações de apoio à pesca

05869665556f62f815b6c2a9f54623e6.jpeg Professores e alunos da Ponte do Imaruim reclamam de horários do transporte coletivo

2a46e516208184553913a41ae23578e0.jpeg Através de campanha solidária, evento de Dia das Crianças deve ocorrer no São Sebastião

124a5fd64c0300628c002b6987790ece.jpeg Acusado de matar pelo menos 15 pessoas é preso na Ponte do Imaruim

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


A histórica Rainha do Litoral Catarinense

Praça Sete de Setembro tinha um paisagismo elogiado em toda a região

cd1312eb6ef67c0bdce15afe7646875b.jpeg Foto: ACERVO JPP

A Praça Sete de Setembro foi criada nos anos 1930 para ser o ponto de encontro da sociedade palhocense junto ao centro executivo municipal.

Estrategicamente posicionada em frente à Igreja Matriz e à então sede da Prefeitura, entre as ruas Barão do Rio Branco e José Maria da Luz, a praça é o retrato de como o desenvolvimento atualiza a paisagem urbana da cidade. “Era como se a praça fosse um jardim da igreja e tudo isso formava o Centro de Palhoça, que ainda era um município rural, em grande parte”, relata o escritor, historiador e fundador do Palhocense, João José da Silva.

Antigamente, seus jardins eram muito elogiados por todos os visitantes da região que passavam pelo Centro da cidade. Os responsáveis pelo paisagismo vistoso eram duas figuras históricas, seu Neca e seu Flor. Eles organizavam a praça e deixavam tudo arrumado para as inúmeras festividades que eram realizadas ali.

Nas mãos habilidosas e zelosas de seu Neca e seu Flor, a praça ficava tão bonita que chegou a ser batizada como “A Rainha do Litoral Catarinense” na década de 1970. Os dois funcionários eram tão criativos que os ciprestes ganhavam forma de cachorro, gato, pássaro. 

Entre os anos 1999 e 2000, a praça recebeu um presente: um relógio de sol, construído pelo artista uruguaio Felix Carbajal. O relógio solar palhocense foi um dos últimos da carreira do artista uruguaio, que também construiu relógios em Blumenau, Gaspar e Itajaí, antes de falecer, em 2005, aos 100 anos de idade.

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: ACERVO JPP ACERVO JPP
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg