Ciclone: SC já distribuiu R$ 2,2 milhões em itens

Governo do estado considera o ciclone bomba como o pior evento climático com ventos da história de SC

ac460f927e335f5dc62e6a0d383d24d4.png Foto: REPRODUÇÃO

Após a passagem de tempestades que causaram estragos em 241 municípios, o governo do estado, por meio da Defesa Civil de Santa Catarina (DC/SC), continua trabalhando para apoiar os atingidos pelos eventos climáticos. Até o momento, já foram destinados às cidades catarinenses 112,8 mil itens de assistência humanitária (IAH), avaliados em R$ 2,2 milhões. No total, foram registradas 13 mortes (duas delas durante a reconstrução), 17 feridos e 47,9 mil pessoas afetadas pelos fenômenos.

Como 82% do território catarinense foi atingido, o ciclone com frente fria está sendo considerado o pior evento climático com ventos da história do estado. “A primeira ação foi a emissão dos alertas de maneira antecipada. As estruturas de monitoramento e alerta da DC/SC acompanharam o fenômeno divulgando os dados nos canais oficiais e com o apoio da imprensa para que as informações chegassem até a população”, comentou o chefe da DC/SC, João Batista Cordeiro Jr.

Segundo ele, durante o evento, as equipes estaduais de resposta, como Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Polícia Militar e Serviço Móvel de Urgência, iniciaram as atividades em apoio às Defesas Civis municipais das áreas atingidas. No primeiro momento, junto com o socorro das vítimas, foi realizada a entrega de lonas para a cobertura das casas e assim minimizar os prejuízos nas milhares de residências que foram atingidas.

A partir disso, as prefeituras, através das estruturas municipais, como as Secretarias de Assistência social e de Obras, iniciaram o levantamento de danos para embasar a necessidade de itens de assistência humanitária que prontamente começaram a ser entregues, como telhas, colchões cestas básicas. “Nós tivemos a sinergia entre os órgãos do governo do estado, municípios e governo federal para atender da melhor maneira os municípios. Muitas cidades, já nas primeiras horas, realizaram o levantamento e em pouco tempo começaram a receber o auxílio”, reforçou João.


Busca de recursos e financiamentos

Em Santa Catarina, ocorreu ainda a liberação de recursos da Assembleia Legislativa (Alesc). Dos R$ 30 milhões que serão repassados, cerca de R$ 15 milhões já foram disponibilizados e serão utilizados para a assistência humanitária e construção de “kits casa”. “Muitas famílias de baixa renda tiveram as casas totalmente destruídas e vamos utilizar cerca de R$ 10 milhões para a reconstrução das residências”, afirmou o chefe da DC/SC.

João Batista também destaca que o governo federal, desde o primeiro momento, por meio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil, participou das atividades em Santa Catarina, principalmente na questão de busca de ajuda financeira.

No mesmo levantamento para a entrega de IAHs, são elaboradas as fichas de desastres que são utilizadas para avaliar os danos em estruturas públicas estaduais e municipais. O documento também é utilizado para que o estado de calamidade pública seja reconhecido pelo governo federal para a liberação do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para as famílias atingidas. “É uma sequência de ações que são feitas desde o socorro até o restabelecimento e reconstrução das estruturas danificadas”, reforçou.

 

Quer participar do grupo do Palhocense no WhatsApp?
Clique no link de acesso!
 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg