cea913637f9993044e2d593d2c8c58a5.jpeg Professor de Ecologia e Oceanologia aborda exploração de petróleo

31912c67f113f2bc58ba76fe5f16f0c1.jpeg Por meio do Governo do Estado, Epagri Ciram realiza ações de apoio à pesca

05869665556f62f815b6c2a9f54623e6.jpeg Professores e alunos da Ponte do Imaruim reclamam de horários do transporte coletivo

2a46e516208184553913a41ae23578e0.jpeg Através de campanha solidária, evento de Dia das Crianças deve ocorrer no São Sebastião

124a5fd64c0300628c002b6987790ece.jpeg Acusado de matar pelo menos 15 pessoas é preso na Ponte do Imaruim

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX

72f487649eea6e06499c8aad717c7939.jpg Rodada do Campeonato Palhocense de Juniores é cancelada por suspeita de Covid-19

fb7c595c0003a6d5a1d67ae4342a585b.jpeg Apostando em jovens talentos, Guarani encerra Série B em quinto lugar

5d4a40de45338ded326da1392547a49a.jpeg Paratleta de Palhoça é homenageada por participação em Tóquio


Homem é condenado por discriminar indígenas em PH

A sentença, feita a partir de pedido do MPF, determina retirada definitiva de página na internet e indenização de R$ 50 mil por danos morais à comunidade indígena Guarani, em Palhoça

ff80d87613edb81ee4366d1ce3b36e66.jpeg Foto: Palhocense

A Justiça Federal em Florianópolis, acolhendo aos pedidos do Ministério Público Federal (MPF), condenou um homem a pagar R$ 50 mil por danos morais à terra indígena do Morro dos Cavalos, em Palhoça. Houve determinação, ainda, para que ele retirasse, de forma definitiva, a página na internet onde fez publicações discriminatórias e difamatórias contra a população indígena brasileira, sobretudo a comunidade do Morro dos Cavalos.

As publicações começaram em julho de 2012 e, segundo a juíza Marjôrie Cristina Freiberger, da 6ª Vara Federal da Capital, continuaram sendo atualizadas periodicamente. Deturpações de fatos sobre a atuação do MPF e da Funai, bem como a distorção de fatos históricos e culturais que envolvem a presença indígena na região, foram constatadas nas publicações, segundo a Justiça.

Segundo o pedido do MPF, o homem fazia referência a falsas acusações de fraudes antropológicas e disponibilizava um arquivo de texto denominado “Gigolô dos índios”, com conteúdo ofensivo a pesquisadores que trabalham a presença indígena no Morro dos Cavalos. 

Reparação por danos morais 

A sentença destaca que o pagamento de R$ 50 mil é considerado suficiente “como reparação por danos morais à comunidade indígena, isso porque a indenização representa também um sentido punitivo, pois reprime a ação do lesionador, tendo ainda uma função preventiva, a fim de evitar a repetição do fato danoso”. A procuradora da República em Santa Catarina Analúcia Hartmann, autora da ação, espera que a “essa sentença e essa multa sejam um alerta para aqueles que desrespeitam os direitos dos indígenas”.

Posse pretendida 

Os argumentos acatados pela Justiça citam o fato de que a motivação para os ataques à comunidade Guarani diz respeito a sua pretensão sobre parte da área indígena, pois há anos vem intentando ações judiciais, sob a alegação de que teria herdado as terras do pai. Apesar de negar que a área seja dos indígenas, o réu “já confessou, em petição de ação de reintegração de posse, que seu pai teria ‘pagado’ para que alguns índios que tinham casas no Morro dos Cavalos saíssem do local”.

A ação encaminhada à Justiça Federal pelo MPF revela que as afirmações contidas no site do réu foram baseadas em papéis produzidos por ele próprio e ali publicados. Embora até contenham menção e a citação de alguns documentos de instituições públicas “se dá apenas para que seja contextualizada a sua própria opinião, na maior parte das vezes de forma tendenciosa, abusiva, agressiva e até vexatória”, diz a decisão.

“As manobras e atos ilegítimos narrados nesta ação, ao colocar em risco a garantia constitucional e ao criar falsas afirmações contra esse direito fundiário, tiveram e tem como efeito um profundo sentimento de injustiça sofrido pela comunidade indígena de Morro dos Cavalos”, defendeu o MPF, na tese acolhida.

Defesa

Um dos argumentos da defesa do réu condenado foi o da liberdade de expressão. A sentença, porém, esclareceu que “apesar da manifestação de pensamento e liberdade de expressão ser bem jurídico tutelado, seu exercício está condicionado ao respeito à honra e imagem alheia. Se assim não fosse sequer existiram as figuras da calúnia, da injúria e da difamação, que nada mais são que abusos ocorridos durante o exercício da liberdade de manifestação do pensamento, matéria esta inclusive regulada pela lei n. 5.250/1967.”

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!

 


Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg