f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Fé e Alegria: bois e cavalos soltos preocupam

Animais têm circulado pelo pátio da instituição educacional, provocando riscos a educadores e alunos

15238e4062a41e59d7a148508da38e56.jpeg Foto: DIVULGAÇÃO

Por: William Schütz*

Servidores da Fundação Fé e Alegria, instituição que atende mais de 100 crianças com trabalhos sociais e educacionais no Laranjeiras, estão preocupados porque bois e cavalos têm aparecido constantemente no terreno onde fica a sede.

A direção da instituição vem tentando o diálogo para resolver a questão. “Os donos dizem que prendem, mas os bois acabam se soltando com facilidade. E nós já falamos várias vezes com esses donos, mas os bichos acabam sempre voltando”, alega a direção da Fundação Fé e Alegria.

Além disso, há relatos de que servidores da instituição até já se machucaram por conta da situação. Ainda conforme a direção, o caso apresenta “um risco enorme”, pois ali circulam muitas crianças. “A creche Aprender Brincado fica em uma das extremidades do grande terreno. Do outro lado, fica a Fundação. Então, eles simplesmente deixam os bois ali. E nós já tomamos alguns sustos, porque um desses bois é bem bravo e já correu atrás de uma moça da equipe. Ela acabou dando um mau jeito na perna”, relata a direção.

Supostamente, os bois e cavalos pertencem a pessoas que vivem nas proximidades da instituição e, de acordo com relatos, os donos não delimitam adequadamente o local de permanência desses animais, além de deixá-los soltos ou mal presos. Dessa forma, os bichos ultrapassam os limites do terreno e chegam até a porta da Fundação.

Questionada pela reportagem, a equipe da Diretoria de Bem-Estar Animal (Dibea) da Prefeitura de Palhoça explicou que, quando se trata de cavalos, existe um convênio com a cavalaria da Polícia Militar, que prevê o recolhimento dos animais soltos em via pública ou abandonados. Os cavalos apreendidos são encaminhados para a cavalaria. 

Tal convênio foi proposto em 2019 pelo então secretário de Defesa do Cidadão, o vereador Rodrigo Quintino. “No momento, estamos impossibilitados de recolher durante 60 dias, mas já passaram 30, porque um dos cavalos recolhidos estava com doença infecciosa e tem de ficar em quarentena, pois essa doença é grave e talvez teríamos que sacrificar o animal”, informa a equipe da Dibea. 

Ainda segundo o órgão, quando se trata de bovino, os profissionais de fiscalização acionam a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), e se identificado o dono, um processo administrativo de abandono de animais é feito. Além disso, a situação pode ser enquadrada como maus tratos. 

Vale salientar que Palhoça conta com a Lei Municipal de maus tratos aos animais, a Lei 4.775/2020. E há também a Lei Federal 1.095/2019, sancionada em setembro de 2020, que estabelece como punições para abuso e maus tratos a animais: reclusão de dois a cinco anos, aplicação de multa e a proibição de guarda. 

Caso algum cavalo ou gado seja visto solto em locais públicos ou inapropriados, o indicado é informar a situação imediatamente à Dibea, ligando para o telefone (48) 3242-1512.

* Sob a supervisão de Alexandre Bonfim

 

Quer participar do grupo de WhatsApp do Palhocense?

Clique no link de acesso!



Galeria de fotos: 2 fotos
Créditos: DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg