03066bf794a14ea915fce1a765736d82.jpeg Antigo Paço Municipal está sendo reformado para receber a Casa da Cultura

de9e6360e2a7d056ac81e4c570bac2b4.jpeg Empresários recebem palestra sobre colaborador na modalidade PJ

b9ed51804a38497e3d713e4b85a0b9ff.jpeg Outubro Rosa: voluntários organizam pedal de conscientização

6ce5fa3101a7024c779d8506147a16f1.jpeg Irmãs palhocenses produzem e doam “naninhas” para crianças das escolas públicas

4591eb7458e13b72850d0266561322bb.jpeg Jovens atletas representam Palhoça em competições estaduais

b1389c69ecc88f51f017f24a6510b6da.jpeg Judoca criado dentro do programa Palhoça Esportiva é campeão estudantil

678354f0c4a3c4a0a66e5acc0f97f463.PNG PBec Brasil vence primeira partida oficial como clube profissional

5e23d8c4a62a022f340e9d6aa9d81f61.jpeg PBec Brasil completa 11 anos de história no futebol palhocense

e228afe0fbb6efb4982272fb3b076d56.jpeg Tocha se destaca em reestreia do Campeonato Paranaense de BMX


Observatório Social implanta projeto inédito

Palhoça será o primeiro município a utilizar tecnologia inovadora para avaliar obras públicas

badcb63f44008c0d8c32946c89fff67b.jpeg Foto: DIVULGAÇÃO

Na última quinta-feira (4), o Observatório Social do Brasil-Palhoça (OSB-PH) lançou oficialmente o Projeto “De Olho Na Obra”, que tem como objetivo propor uma nova forma de fiscalizar as obras públicas. Com a parceria de diversas empresas e instituições, os voluntários vão utilizar um equipamento com tecnologia de laser escâner e a metodologia BIM para fazer um verdadeiro “raio-X” da obra pública que estiver sendo analisada. Assim, o Observatório tem melhores condições de ponderar se a obra foi executada de acordo com as especificações propostas na licitação e os padrões vigentes na legislação brasileira.

Dentro do projeto-piloto, iniciado no dia 4, uma equipe de voluntários visitou o Centro de Educação Infantil (CEI) Roda Viva, no bairro São Sebastião, para fazer a escanerização da estrutura. Quem comandou o processo foi o especialista Adriano Scheuer, da empresa Faro Technologies, parceira no projeto. Adriano explica que o equipamento faz um levantamento através de uma nuvem de pontos colorida. Um laser é emitido, coletando um milhão de pontos por segundo, e após esse levantamento das medições, ele captura imagens em 360 graus com uma câmera digital integrada no mesmo eixo do laser. Os resultados gerados com a escanerização podem ser levados para um software, onde é possível fazer vários tipos de análise. “Esse software vai ajudar a economizar tempo e dinheiro, porque ele vai garantir a qualidade e que o projeto vai estar de acordo com o executado”, explica Adriano. Um exemplo prático: o degrau de uma escada é escanerizado, e no software, é possível medir suas dimensões e identificar se está dentro do padrão programado ou não.

A segunda etapa do projeto contará com o apoio do estudante de Engenharia da UFSC Vitor Bez Gouveia, que irá desenvolver seu trabalho de conclusão de curso (TCC) nessa área, orientado pela professora Leticia Matana e com a modelagem da nuvem feita pela engenheira Kesia Alves e os arquitetos Diego Both, Jaqueline Milan e Felipe Figueredo. O objetivo final do projeto é mostrar o beneficio da metodologia BIM (Building Information Modeling, ou Modelagem de Informação da Construção, em uma tradução livre: processo que envolve a criação de um modelo digital, integrando todas as etapas e abrangendo todo o ciclo de uma edificação) para melhorar a qualidade dos projetos e obras, gerando mais economia e evitando desperdícios para os cofres públicos.

A partir desse projeto-piloto, a metodologia será disponibilizada então para todos os demais observatórios sociais do Brasil, para fazerem suas respectivas fiscalizações locais. “A gente tem um projeto bastante ousado, de ser o primeiro observatório do Brasil a utilizar a metodologia BIM para a fiscalização de obras públicas”, informa Kesia. Para o presidente do Observatório Social do Brasil, Ney da Nóbrega Ribas, um projeto inovador como esse é muito bem-vindo. “Precisamos fazer análise, conhecer essa ferramenta, submeter um projeto-piloto e implementar dentro de uma metodologia padronizada, para que ela possa ser replicada em outras cidades. Então, eu fiquei muito feliz de ter essa notícia, de saber que existe uma tecnologia e que nós podemos fazer uso disso”, reflete o dirigente. Ney parabenizou a iniciativa palhocense: “Parabéns e agora vocês do Observatório Social do Brasil em Palhoça têm uma responsabilidade muito grande, porque têm o compromisso de se tornar uma referência com esse projeto, especialmente com as condições que Palhoça tem enfrentado nos últimos anos em relação à correta aplicação dos recursos públicos”.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg