O futuro das águas

Plano de Recursos Hídricos (PRH) da Bacia dos Rios Cubatão e Madre está em fase de prognóstico

54340e860462f7211a868b24427f9014.jpg Foto: DIVULGAÇÃO

Em junho do ano passado, o Palhocense acompanhou uma das quatro cerimônias de abertura dos encontros regionais previstos no processo de elaboração do Plano de Recursos Hídricos das Bacias dos Rios Cubatão, Madre e Bacias Contíguas. Foi em junho do ano passado, na Unisul, na Pedra Branca. Desde então, o processo tem evoluído. Em respeito ao Dia Mundial da Água, celebrado nesta quinta-feira (22), atualizamos os leitores com relação a este estudo, tão importante para a nossa região, pois vai atuar diretamente na preservação dos mananciais de água que abastecem as nossas casas,  comércios e instituições.

Após o fim da fase de diagnóstico, teve início outra etapa muito importante rumo à conclusão da elaboração do plano: a fase de prognóstico das demandas hídricas (Etapa D). É na etapa D, prevista no plano de trabalho, que serão feitas as projeções para as demandas futuras de uso dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos, buscando soluções para o estabelecimento de uma situação de equilíbrio entre oferta e demanda qualitativa e quantitativa de água. Para tanto, estão sendo criados diferentes cenários de crescimento da demanda, através da avaliação de critérios econômicos, sociais, ambientais, e da verificação das tendências de crescimento e desenvolvimento econômico da região de abrangência do plano.

Para cada um dos cenários criados, será avaliada a demanda hídrica (quanta água necessitamos para a manutenção dos usos múltiplos: consumo humano e animal, irrigação, indústria, mineração, produção de energia, navegação, manutenção da biota, recreação e turismo, entre outros), a disponibilidade hídrica (quanta água temos disponível para esses usos) e, consequentemente, o balanço hídrico, que é a relação entre a disponibilidade e a demanda, considerando sempre a relação entre quantidade e qualidade dos recursos hídricos. 

Elaborado a partir do diagnóstico, o prognóstico servirá como base para a definição do enquadramento dos cursos de água, com posterior definição dos critérios de outorga e cobrança.

De acordo com Diego Cathcart, membro da equipe técnica que dá apoio à elaboração do Plano, “a fase de prognóstico é essencial para o entendimento da relação entre a disponibilidade e a demanda hídrica. A partir da avaliação desta relação é possível estruturarmos ações e recomendações para que o equilíbrio hídrico seja garantido”. 

O PRH das bacias dos rios Cubatão e Madre e Bacias Contíguas está sendo desenvolvido pela Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDS) em parceria com o Comitê Cubatão-Madre e com o apoio técnico da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Os municípios localizados na área de abrangência do Plano são: Palhoça, Águas Mornas, Garopaba, Paulo Lopes, Santo Amaro da Imperatriz, São José, São Pedro de Alcântara e Florianópolis (região continental). A área total das bacias inseridas no PRH é de 1.644,11 quilômetros quadrados, sendo que 561,06 quilômetros quadrados, isto é, cerca de 34% desta área, está dentro dos limites do Parque Estadual da Serra do Tabuleiro.

 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • Banner-310x260.gif