É dia de celebrar o trabalho do assistente social

Artigo enviado pela assistente social Maria Dolores Thiesen, professora do curso de Serviço Social da Unisul

9aed3e17a7294a3311f0241361b71c98.jpeg Foto: DIVULGAÇÃO

Por: Maria Dolores Thiesen*

 

No Brasil, comemoramos a profissão do assistente social no dia 15 de maio. É importante conhecer e valorizar o trabalho que assistentes sociais realizam no seu cotidiano.

Mas o que faz o assistente social? Qual a diferença entre serviço social, assistente social, assistência social e assistencialismo?

Serviço Social é profissão de nível superior, regulamentada pela Lei 8.662/1993.  

Assistente Social é o profissional com graduação em Serviço Social (em curso reconhecido pelo MEC) e com registro no Conselho Regional de Serviço Social (Cress) do estado em que trabalha. 

Assistência Social é a política pública prevista na Constituição Federal e direito de cidadãos e cidadãs, assim como a saúde, a educação, a previdência social, e outras. É regulamentada pela Lei Orgânica da Assistência Social (Loas), constituindo-se como uma das áreas de trabalho de assistentes sociais.

Assistencialismo é a forma de oferta de um serviço por meio de uma doação, da boa vontade ou interesse de alguém. Não é política pública. 

O Código de Ética do Assistente Social baliza as ações da categoria profissional. A defesa dos Direitos Humanos é uma das prescrições constitutivas dos princípios fundamentais do Código de Ética. No seu artigo 3°, afirma que é dever do assistente social, na relação com a população usuária, “participar de programas de socorro à população em situação de calamidade pública, no atendimento e defesa de seus interesses e necessidades”.

E o momento atual nos impele a falarmos da profissão no contexto da pandemia da Covid-19. A maior parte da categoria de assistentes sociais trabalha em contato direto com a população, nos equipamentos públicos (como Cras, Creas, postos de saúde, hospitais, agências do INSS) que, em situações de emergência, como a que estamos vivendo, precisam continuar em funcionamento para atender às demandas da população.

Nesse contexto desafiador, os assistentes sociais estão sendo chamados a prestar socorro à população por conhecem de perto as necessidades da população e o território em que essas pessoas vivem.

No Brasil, como temos acompanhado nas mídias, grande parte da população não tem acesso a políticas sociais. No campo da saúde, apesar de o sistema ser público, há desigualdade no acesso. Grande parte da população não possui acesso a condições de saneamento básico, o que tem dificultado os cuidados em relação à saúde, estando, assim, mais exposta à proliferação e à contaminação.

Dessa forma, no contexto da pandemia, os assistentes sociais têm realizado o trabalho no atendimento direto à população vulnerável e segue na luta cotidiana ao direito igualitário à população que é desprovida de condições dignas de vida.

Isso reforça a importância do trabalho de assistentes sociais para que a população tenha acesso aos serviços de saúde, assistência e previdência social, além de benefícios eventuais que serão essenciais para a manutenção da vida da população mais empobrecida.

Pela trajetória da profissão marcada por tão grandes feitos e pela coragem diante dos desafios do tempo presente: parabéns, assistentes sociais! 

 

* Assistente social e professora do curso de Serviço Social da Unisul



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg