f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Receita cai em 90% dos pequenos negócios

Pesquisa do Sebrae mostra também que 86% das pequenas e micro empresas que buscaram crédito não conseguiram ou aguardam empréstimo

de9c6a2ea9df48f141585c9ba1d26aaa.jpeg Foto: DOUGLAS SILVEIRA

A ampliação dos impactos econômicos da crise provocada pelo novo coronavírus tem levado um número maior de donos de pequenas empresas a buscar empréstimo para manter o negócio. De acordo com pesquisa realizada pelo Sebrae, com parceria da Fundação Getúlio Vargas, cresceu em oito pontos percentuais a proporção de empresários que buscou crédito entre 7 de abril e 5 de maio. Entretanto, o mesmo estudo mostra que 86% dos empreendedores que buscaram tiveram o empréstimo negado ou ainda têm seus pedidos em análise. Desde o início das medidas de isolamento no Brasil, apenas 14% daqueles que solicitaram crédito tiveram sucesso.

A pesquisa, realizada entre 30 de abril e 5 de maio, ouviu 10.384 microempreendedores individuais (MEI) e donos de micro e pequenas empresas de todo o país. Essa é a terceira edição de uma série iniciada pelo Sebrae no mês de março, pouco depois do anúncio dos primeiros casos da doença no país.

O levantamento do Sebrae confirma uma tendência já identificada em outras pesquisas do Sebrae, de que os donos de pequenos negócios têm – historicamente – uma cultura de evitar a busca de empréstimo. Mesmo com a queda acentuada no faturamento, 62% não buscaram crédito desde o começo da crise. Dos que buscaram, 88% o fizeram em instituições bancárias. Já entre os que procuraram em fontes alternativas, parentes e amigos (43%) são a fonte de empréstimos mais citada, seguidos de instituições de microcrédito (23%) e negociação de dívidas com fornecedores (16%).

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, esse comportamento pode ter diversas razões, entre elas: as elevadas taxas de juros praticadas pelas instituições financeiras, o excesso de burocracia ou a falta de garantias por parte das pequenas empresas. “Por essa razão, o Sebrae está trabalhando para ampliar o volume de instituições parceiras para a operação do Fundo de Aval às Micro e Pequenas Empresas (Fampe). Já contamos com 12 organizações, entre bancos públicos e privados, cooperativas de crédito e agências de fomento. Queremos estender esse apoio a um número maior de empresários”, comenta Melles.

Segundo o presidente do Sebrae, em apenas pouco mais de 10 dias de operação do convênio firmado com a Caixa para a concessão de crédito assistido, com recursos do Fampe, foram realizadas 3.104 operações e concedidos R$ 267,9 milhões em crédito para pequenos negócios.

 

Agentes financeiros

Analisando particularmente a procura de crédito junto aos agentes financeiros, a 3ª Pesquisa do Impacto do Coronavírus nos Pequenos Negócios mostrou que os mais demandados, desde o início da crise, foram os bancos públicos (63%), seguidos dos bancos privados (57%) e cooperativas de crédito (10%). Entretanto, avaliando a taxa de sucesso desses pedidos, o estudo do Sebrae mostrou que as cooperativas de crédito lideram na concessão de empréstimos (31%) e, na sequência, aparecem os bancos privados (12%) e os bancos públicos (9%).

 

Comportamento dos pequenos negócios

A pesquisa revelou que as medidas de isolamento recomendadas pelas autoridades de saúde atingiram a quase totalidade dos pequenos negócios; 44% interromperam a operação do negócio, pois dependem do funcionamento presencial. Outros 32% mantêm funcionamento com auxílio de ferramentas digitais e 12% mantêm funcionamento, apesar de não contar com estrutura de tecnologia digital. Apenas 11% conseguiram manter a operação sem alterações, por outras razões, entre segmentos listados como serviços essenciais.

Com relação ao faturamento do negócio, a maioria dos donos de pequenas empresas (89%) apontou uma queda na receita mensal; 4% não perceberam alteração de faturamento, apenas 2% conseguiram registrar aumento de receita no período e 5% não quiseram responder. Na média, o faturamento dos pequenos negócios foi 60% menor do que no período pré-crise. Apesar de preocupante, esse resultado é melhor do que o identificado nas duas pesquisas anteriores. Em março, a queda havia sido de 64%. No 2º levantamento, no início de abril, a perda média de receita havia sido ainda maior (69%).

Para tentar superar esse momento, as empresas estão lançando mão de diferentes recursos. Para 29% delas, a alternativa foi passar a realizar vendas online, com o uso das redes sociais. 12% disseram ter começado a gerenciar as contas da empresa por meio de aplicativos e 8% passaram a realizar vendas online por aplicativos de entrega.

Quanto à gestão dos recursos humanos das empresas, 12% dos entrevistados revelaram que tiveram de demitir funcionários nos últimos 30 dias, em razão da crise; 29% das empresas com empregados suspenderam o contrato de funcionários; outros 23% deram férias coletivas; 18% reduziram a jornada de trabalho com redução de salários; e 8% reduziram salários com complemento do seguro-desemprego; alternativa permitida pela MP 936.

 

Análise dos segmentos

A pesquisa avaliou a perda média de faturamento semanal dos microempreendedores individuais, micro e pequenas empresas, de acordo com o segmento de atuação. Embora todos os setores tenham registrado perdas, elas foram mais sensíveis na atividade da Economia Criativa (eventos, produções etc) (-77%), Turismo (-75%) e Academias de Ginástica (-72%). Já os segmentos com menor perda de faturamento, de acordo com o estudo, foram Pet Shops e Serviços Veterinárias (-35%), Agronegócio (-43%) e Oficinas e Peças Automotivas (-48%).


Cresceu a proporção de empreendedores que buscaram empréstimo

> Na segunda edição da pesquisa (3 a 7 de abril), 30% dos empresários haviam solicitado crédito desde o início da crise
> Na terceira edição da pesquisa (30 de abril a 5 de maio), 38% dos empresários solicitaram crédito
> Entre os que procuraram crédito (3ª pesquisa)

58% Não conseguiram
28% Estão aguardando
14% Conseguiram

Você precisará de empréstimos para manter seu negócio em funcionamento sem demissões?

1ª Pesquisa: 54%
2ª Pesquisa: 55%
3ª Pesquisa: 59%

Agentes financeiros mais demandados

Bancos públicos: 63%
Bancos privados: 57%
Cooperativas de Crédito: 10%

 

Taxa de sucesso

Cooperativas de Crédito: 31%
Bancos Privados: 12%
Bancos Públicos: 9%

 

Sua empresa consegue funcionar com a restrição de circulação de pessoas?

44% interromperam operação, pois depende de funcionamento presencial
32% mantêm funcionamento, com auxílio de ferramentas digitais
12% mantêm funcionamento, mas sem estrutura de tecnologias digitais
11% mantêm funcionamento por outras razões (entre serviços essenciais, por exemplo)

 

Como seu negócio está sendo afetado pelo coronavírus, em termos de faturamento mensal?

2% aumentaram
89% diminuíram
4% permaneceram igual
5% não sabem ou não responderam

 

Queda média de faturamento nas três pesquisas do Sebrae

1ª Pesquisa (março) - a queda de 64%
2ª Pesquisa (3 a 7 de abril) - a queda foi de 69%
3ª Pesquisa (30 de abril a 5 de maio) - a queda foi de 60%

 

Medidas que a empresa decidiu iniciar por causa da crise

Começou a realizar vendas online com uso de redes sociais - 29%
Começou a fazer o gerenciamento das contas da empresa pelo aplicativo do Banco - 12%
Começou a realizar vendas on-line por telefone e aplicativos móveis - 7%

 

Nos últimos 30 dias você teve de demitir funcionários de carteira assinada por causa da crise?

12% - Sim
35% - Não
52% - Não têm funcionários

 

Com relação aos funcionários, você tomou alguma das medidas abaixo?

Redução do salário com complemento do seguro desemprego - 8%
Redução da jornada de trabalho com redução de salários - 18%
Férias coletivas - 23%
Suspensão de contrato de trabalho - 29%
 

Segmentos com maiores perdas de faturamento

Turismo

Março (-88%)
Abril (-87%)
Maio (-75%)

 

Economia Criativa

Março (-86%)
Abril (-80%)
Maio (-77%)

 

Academias

Março (-68%)
Abril (-87%)
Maio (-72%)
 

Segmentos com menor perda de faturamento

Pet Shops e Serviços Veterinários

Março (-55%)
Abril (-51%)
Maio (-35%)

 

Agronegócio

Março (-44%)
Abril (-50%)
Maio (-43%)

 

Oficinas e Peças Automotivas

Março (-55%)
Abril (-69%)
Maio (-48%)


Quer participar do grupo do Palhocense no WhatsApp?
Clique no link de acesso!
 



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg