f8cd4f6b92c2fc70f0e82ac7e1a42880.jpg Vacinação em SC: estado ultrapassa 5 milhões de pessoas com esquema vacinal completo

1069b9477a3a0d2f867498dc62b62e0e.jpeg Campanha quer melhorar autoestima de mulheres em situação de vulnerabilidade

5f9a9fdb32314194b4a64723f76fca64.jpeg Membros da comunidade se mobilizam para preservar vegetação na Pedra do Urubu

de47197475943f65b8890285981920fa.PNG Inspirada por Nelson Rodrigues, escritora de Palhoça lança livro de contos

c64875ae6408469efef36af9aa564775.jpeg ViaCatarina recebe mais uma edição da Feira do Artesanato

9570bba7c4646e5c724a73492d325f77.jpeg Produzido em Palhoça, EP de estreia de Yaju está disponível nas principais plataformas digitais

d6d50a1ca4d89a2580356c2c407d6130.jpeg Atletas da FMEC conquistam medalhas no Brasileiro de taekwondo

27e11cacd416c88131ac3f88f6e81065.jpg Copa do Mundo de Amadores contará com dois times de Palhoça

06dcb5028c047a5c6a4971990792762d.jpeg Halterofilismo: Rogério Anderle é campeão no Sul-Brasileiro 2021

b056d29d794b5e1bd70c65f106382a3b.jpg Governador Carlos Moisés abre a 60ª edição dos Jasc e destaca investimentos históricos no esporte

Palhocense vai disputar o Parapan-Americano

Zé Raul foi convocado para integrar a Seleção Brasileira de rúgbi em cadeira de rodas em Lima, no Peru

d273a571677aaea3340b082b942810de.jpg Foto: REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Depois de integrar a Seleção Brasileira que participou da Metro Cup, na Polônia, o jogador de rúgbi em cadeira de rodas José Raul Schoeller Guenther (Zé Raul), morador do Bela Vista, foi novamente convocado para defender o uniforme canarinho. Zé Raul estará na delegação que vai representar o Brasil no Parapan-Americano de Lima, no Peru, que inicia no dia 23 de agosto e termina em 1º de setembro. O jogador viaja nesta quinta-feira (1) para São Paulo, onde a equipe se reúne para um período de treinamento antes do embarque para Lima, marcado para o dia 16.

A Seleção Brasileira de rúgbi em cadeira de rodas vive um momento de evolução. A conquista do quarto lugar na Metro Cup, torneio realizado em Varsóvia, na Polônia, de 1º a 7 de julho, foi uma prova dessa evolução. O evento somou pontos para o ranking mundial da modalidade e, com o resultado obtido, o Brasil passa a ocupar a nona posição. A competição contou com a participação de mais sete equipes: Alemanha, Dinamarca, França, Holanda, Polônia, Rússia e Suécia. A França ficou com o título, batendo a Alemanha na final; o Brasil perdeu a disputa do bronze para a Dinamarca, em um jogo equilibrado. Esse equilíbrio, demonstrado, principalmente, nas partidas diante de Suécia, Rússia, Alemanha e Dinamarca, permite sonhar com um futuro promissor.

Já a França, campeã do torneio e quinta colocada no ranking mundial, está em um nível superior, na avaliação do atleta palhocense. “Eles são muito fortes. Hoje, a gente não tem time para ganhar deles, mas a gente poderia ter feito um jogo melhor contra eles na semifinal. Foi um jogo bem atípico, arbitragem confusa. Mas não é desculpa, a gente nunca ganhou deles e eles eram a seleção mais forte lá, tanto é que foram campeões”, relembra Zé Raul.

A próxima meta da Seleção Brasileira é fazer uma boa apresentação no Parapan-Americano de Lima. A equipe estreia diante da Colômbia, o principal rival sul-americano; depois, enfrenta o Canadá e, na sequência, os Estados Unidos, grande favorito ao ouro; e finaliza a etapa classificatória com jogos “menos complicados”, teoricamente, diante de Argentina e Chile. Os quatro melhores fazem a semifinal, em cruzamento olímpico.

Por falar em Olimpíada, o Parapan terá um “gostinho” de Tóquio: o melhor time garante vaga direta para os Jogos Olímpicos de 2020, que serão disputados na capital japonesa, e os outros dois medalhistas se credenciam para a disputa de uma repescagem mundial. Como Estados Unidos e Canadá são favoritos, o duelo com a Colômbia passa a ser crucial na disputa olímpica. No Parapan de Toronto, em 2015, os colombianos levaram a melhor sobre os brasileiros na disputa pelo bronze. “A gente tem condição de ganhar deles, mas não vai ser fácil. A Colômbia está ali, junto com a gente, é um time forte, e vai vir com tudo também para buscar essa vaga”, projeta Zé Raul.

Melhor seria conquistar o ouro pan-americano, para não depender da repescagem, mas se confirmar presença nessa competição pré-olímpica, Zé Raul acredita que o Brasil tem boas chances de carimbar o passaporte para o Japão. “Dos times que devem ir para a repescagem, acho que a gente tem chance de vencer praticamente todos”, analisa, apostando em França e Grã-Bretanha como os times que vão conquistar vaga direta em Tóquio através da seletiva europeia.

Independentemente dos resultados no Parapan, o atleta do Bela Vista afirma que o importante é fazer boas apresentações em Lima. “Claro que a gente quer ganhar, mas, sendo realista, a gente pode disputar um bronze ou uma prata, talvez. O que a gente pretende é fazer bons jogos contra Estados Unidos e Canadá”, diz o atleta, que defende a Seleção Brasileira desde 2010 - na época, com apenas 19 anos.

Hoje, Zé Raul defende a equipe do Gigantes, de Campinas (SP), e quando não está em competição, treina sozinho na Unisul, na Pedra Branca, com o acompanhamento da personal trainer Maria Eduarda Marcelino. O esforço para aprimorar a forma e evoluir no esporte tem sido recompensado. No ano passado, Zé Raul foi eleito o melhor jogador do Brasil e ganhou o prêmio paralímpico. “Foi a primeira vez que um ponto baixo foi eleito”, comemora - “ponto baixo” se refere à classificação funcional: Zé Raul tem classificação 1.0; o atual prodígio da Seleção Brasileira, por exemplo, o paulista Gabriel Feitosa, de 19 anos, tem classificação 3.5. “Fisicamente, ele é o melhor, disparado. A gente espera muito dele. Se ele focar, tem tudo para ser um dos melhores jogadores do mundo, fácil”, elogia Zé Raul.



Tags:
Veja também:









Mais vistos

Publicidade

  • ea73bab336bac715f3185463fd7ccc14.jpg